Ago 24, 2018

Salto Quântico dos Materiais

A perspectiva de novos e poderosos computadores quânticos vem com um quebra-cabeça. Serão capazes de feitos de computação inconcebíveis com as máquinas actuais, mas ainda não descobrimos o que poderíamos fazer com esses poderes.

Uma possibilidade provável e atraente: projectar precisamente moléculas.

Os químicos já sonham com novas proteínas para medicamentos muito mais eficazes, novos eletrólitos para melhores baterias, compostos que poderiam transformar a luz solar directamente num combustível líquido e células solares muito mais eficientes.

Não temos estas coisas porque as moléculas são ridiculamente difíceis de modelar num computador clássico. Tente simular o comportamento dos electrões, mesmo numa molécula relativamente simples, e irá encontrar complexidades muito além das capacidades dos computadores actuais.

Mas, é um problema natural para os computadores quânticos, que em vez de bits digitais que representam  1 s e  0 s usa "qubits", que são eles próprios sistemas quânticos. Recentemente, investigadores da IBM usaram um computador quântico com sete qubits para modelar uma pequena molécula composta de três átomos.

Deveria ser possível simular com precisão moléculas muito maiores e mais interessantes à medida que os cientistas construíssem máquinas com mais qubits e, da mesma forma, algoritmos quânticos melhores.