Jul 30, 2018

Louis Vuitton, Hermès, Gucci: as marcas de luxo mais valiosas do mundo

A China é o maior mercado alvo das marcas de luxo e está a desempenhar um papel fundamental na valorização do sector.

A expansão da economia chinesa e a disposição de abraçar a cultura pop estão a ajudar as marcas de luxo a aumentar o seu valor global, com os mais recentes rankings BrandZ da Kantar Millward Brown a revelarem um crescimento significativo no sector.

A marca francesa Louis Vuitton viu o seu valor subir 41%, para 41,1 biliões de dólares em 2018, tornando-se na marca de luxo com melhor desempenho entre as 100 melhores, na 26ª posição e cotada como uma das 20 melhores marcas em termos de crescimento rápido do ano.

Enquanto isso, o aumento de 66% da Gucci faz com que a marca italiana suba umas impressionantes 26 posições para o 54º lugar no ranking, com um valor de 22,4 biliões de dólares. É também a sexta mais rápida em crescimento - atrás dos gigantes chineses JD.com (94%), Alibaba (92%) e Moutai (89%), bem como a Paypal (85%) e a Netflix (73%).

A Dior também viu um aumento significativo no valor da sua marca, que subiu 54%, tornando-se a nona marca que mais cresceu no estudo deste ano, embora não entre no top 100, enquanto a Hermès sobe duas posições para o 39º lugar depois do aumento de 20% no valor da marca, que a levou aos 28,1 biliões de dólares.

A analista de retalho de luxo, Anusha Couttigane, que trabalha na Kantar Retail, diz que embora a exclusividade continue a ser um factor importante, à medida que os consumidores se tornam mais conscientes socialmente, a principal característica que torna uma marca de luxo bem-sucedida, hoje em dia, é a sua relevância.

A China é hoje o maior mercado-alvo para o segmento de luxo e também está a desempenhar um papel fundamental no aumento do valor das marcas de luxo.

De acordo com a mais recente previsão de publicidade da Zenith, as marcas de luxo gastaram 2,1 biliões de dólares na China em 2017 - perdendo apenas para os EUA em 5,2 biliões - significando que estes dois mercados, actualmente, representam 61% do consumo de luxo no mundo.

Impulsionada pela presença das marcas de luxo no comércio electrónico, vendendo os seus produtos directamente aos consumidores em plataformas como a Alibaba's Tmall, e formando parcerias com influenciadores populares chineses, a China é agora o mercado digital mais avançado para anunciantes de luxo, com 53% dos anúncios de luxo na China, só em 2017.