Fev 19, 2016

Câmaras de comércio cipriotas juntas em Roma

A Your VIP Partner esteve presente na reunião que as câmaras de comércio grega-cipriota e turca-cipriota tiveram com empresários italianos, no passado dia 18 de Fevereiro, em Roma.

<

Divididos desde 1974, os cipriotas gregos e turcos não tiveram ligação comercial ou económica nas últimas quatro décadas. Mas, os esforços feitos por ambos começam a dar frutos. Se até há poucos anos não havia qualquer tipo de ligação entre Norte e Sul da Ilha, hoje a realidade é outra.

Este encontro entre empresários italianos e as referidas câmras de comércio foi patrocinado pela Italian Trade Agency, entidade governamental dedicada à expansão de negócios das empresas italianas, com a preciosa colaboração e apoio da Unioncamere, organismo que congrega as câmaras de comércio italianas. Esteve ainda presente o Secretário-Geral da Eurochambres, Arnaldo Abruzzini.

O auditório Danilo Longhi, na sede da Unioncamere, no centro de Roma, recebeu mais de vinte empresas italianas, entre industriais e prestadoras de serviços, interessadas em expandir os seus negócios para o Chipre.

A reunião começou com as palavras de Ivanhoe Lo Bello, presidente da Unioncamere que frisou o apoio à internacionalização das empresas italianas, sendo o Chipre reunificado uma enorme oportunidade de negócios.

Phideas Pilides, presidente da Câmara de Comércio Greco-Cipriota (CCCI), começou por apresentar o país como uma base de entrada das empresas italianas e europeias na zona do Médio Oriente e Norte de África, devido à sua localização privilegiada e estabilidade interna. Mesmo com os seus problemas internos, o Chipre apresenta-se como uma nação estável para os negócios. Pilides deu ainda muita atenção à descoberta de reservas de petróleo e gás natural na bacia mediterrânica, em locais muito próximos da Zona Económica Exclusiva (ZEE) cipriota, o que levanta a hipótese de serem encontradas mais jazidas, desta vez em águas sob jurisdição daquele país.

Em curso estão já os processos de privatização dos portos de mar e terminais de carga, com especial destaque para o Porto de Limassol, o maior da ilha.

Depois de três anos e meio de recessão económica, o Chipre regressa agora à normalidade financeira, detendo novamente autonomia para tomar as decisões necessárias para o seu desenvolvimento. O imposto sobre o lucro das empresas situa-se nos 12,5%, e o crescimento económico do país atingiu 1,6% em 2015, com perspectivas de melhores números em 2016.

O crescimento do sector do turismo, em contraste com os restantes estados-membros da UE, ajudou a reduzir a taxa de desemprego.


A visão turco-cipriota

O presidente da Câmara de Comércio Turco-Cipriota (KTTO), Fikri Toros, iniciou a sua intervenção referindo que um relacionamento comercial alargado contribuirá para melhorar as condições de vida e negócios na ilha.

A KTTO, por ter sido fundada antes da cisão cipriota de 1974, manteve-se como uma instituição internacionalizada que continuou a representar as empresas turco-cipriotas em todo o mundo.

Os seus mais de 3.500 membros que englobam empresas de todos os sectores da economia e  empresas estrangeiras, com interesse no mercado turco-cipriota, podem recorrer à KTTO para obter apoio na instalação no mercado local.

O Chipre do futuro

A reunificação da ilha-nação de Chipre é um sonho antigo de ambos os lados do conflito. As enormes disparidades económicas entre Norte e Sul começam a esbater-se, e para isso tem contribuído a vontade política para uma união a médio-prazo.

Segundo ambos os presidentes das Câmaras de Comércio cipriotas, o ambiente vivido actualmente em Chipre é notável e bem diferente daquele que se viveu até há muito pouco tempo.

Recentemente foi feita a interligação das redes eléctricas, está em preparação a conectividade dos sistemas de telecomunicações e o novo aqueduto, construído entre a Turquia e o Norte de Chipre, pronto a levar água potável a toda a ilha, o que potenciará a agricultura do país.

Abrem-se, com a reunificação, novas oportunidades de investimento e de negócio. As áreas mais promissoras são as de agricultura biológica, serviços, tecnologias e energia, com especial destaque para a excelente localização de Chipre para a produção de electricidade a partir de fontes solares, eólicas e de biomassa. Os sectores da construção e do turismo serão, no entanto, aqueles que criarão oportunidades de negócio mais imediatas.