Technology

Dez 1, 2017

ÁGUA "COTADA" EM BOLSA?

Actualmente há uma enorme certeza no Mundo: a água é um bem cada vez mais escasso. Quem o diz são diversos cientistas que concluem que a água não tardará a ser um bem tão ou mais precioso que o petróleo. Por este andar, não faltará muito para termos em Wall Street a água como rainha das cotações bolsistas.

Por HANS GRUBER

A desertificação de muitas regiões por causas naturais, em muitos casos devido à intervenção humana, tem-se vindo a alargar de forma alarmante. Cada vez chove menos e quando chove é em torrentes, de forma que destrói mais do que melhora. O El Niño não explica tudo mas dá uma grande contribuição para a instabilidade do clima no Planeta.

Para responsáveis governamentais de muitos países afectados por secas periódicas, a única forma de combater essa carência passa "por ir buscar" água ao mar. Mas, como reconhecem, a dessalinização de água do mar é, ainda, muito restrita, por causa dos altos custos operacionais e o consumo de energia.

A dessalinização, tanto de água salobra como de água do mar, constitui, em determinadas circunstâncias, uma solução para a escassez recorrente de recursos hídricos de algumas zonas como é o caso de países árabes, Espanha, ilhas Canárias, Baleares, Andaluzia e litoral mediterrânico ou, no caso de Portugal, da Ilha de Porto Santo no arquipélago da Madeira.

Com a aplicação dos mais recentes avanços tecnológicos – menor custo de investimento e de exploração – a osmose inversa impôs-se na dessalinização. Espanha iniciou a sua luta contra a seca através da osmose inversa de água do mar com a construção, a cargo da Degrémont, da instalação de dessalinização de Lanzarote, em 1983, tendo construído até aquela data, desde a década de 1970, várias instalações de osmose inversa de água salobra.

Do ponto de vista dos cientistas, a dessalinização é um desafio humano, tecnológico e económico de grande interesse devido à introdução do conceito de sustentabilidade: necessidade de reduzir o consumo energético das instalações, a emissão dos gases de efeito de estufa, a produção de electricidade para o funcionamento das instalações, o uso de reagentes e o impacto da descarga de salmouras com um elevado teor de sais na flora e fauna marinhas.

A solução para o problema poderia ser óbvia: aproveitar a abundância da água do mar para o uso comum por meio da dessalinização. Os oceanos cobrem mais de 70% da superfície da Terra e contêm 97% da água do planeta.

Mas, recentemente, graças às novas tecnologias, os custos foram reduzidos e fábricas de dessalinização estão a ser abertas pelo mundo fora.

Quatro quintos da capacidade mundial de dessalinização ainda são produzidos por processos de destilação em fábricas concentradas, na sua maioria, nos países do Golfo. A capital da Arábia Saudita, Riade, onde praticamente nunca chove e onde não existem rios nem lagos de superfície, responde sozinha por um décimo da produção mundial de água dessalinizada. Só uma dessalinizadora, instalada no leste da Península Arábica, abastece Riade com um bilião de litros por dia.

Nos típicos sistemas modernos de destilação, a água salgada é aquecida ao passar dentro de tubos no interior de uma câmara que contém sobras de vapor provenientes de uma fabrica de energia – uma espécie de radiador ao contrário. A água salgada quente entra então numa câmara despressurizada que reduz a temperatura na qual a água está fervendo. Então, esta "faz de tudo" para evaporar. Este princípio é chamado de eletrólise.

A segunda tecnologia de dessalinização, a da osmose inversa, ficou mais popular a partir dos anos 1970. Na sua essência, trata-se de um sistema de filtragem. A água bombeada é projectada por meio de uma forte pressão contra uma membrana que retém as moléculas maiores de sal e deixa passar as moléculas menores de água limpa. Contudo, os filtros são eficientes apenas em parte, e a água precisa ser pressurizada e passar pelos filtros várias vezes até conseguir ficar limpa.

Ambas as tecnologias requerem grandes quantidades de energia. Até recentemente, custavam milhares de euros para produzir um único metro cúbico (1.000 litros) de água sem sal - cerca de 100 vezes mais do que o custo do fornecimento convencional de água. Mas a fabricação de filtros melhores permitiu cortar os custos da produção de uma água potável aceitável. 

Mais artigos

DestaquesArtigos

  • MAJOITUS_Lasi-iglut_1

    Lifestyle & Travel

    Mar 1, 2017

    KAKSLAUTTANEN - UMAS FÉRIAS ROMÂNTICAS NUMA CASA DE GELO

    Se o convidássemos a passar umas férias num resort, o que imaginaria? Praia? Palmeiras? Sol? Não. Metros e metros de neve estaladiça, o misterioso crepúsculo azul e violeta da noite polar, gelo extremo, a visão da aurora lançando...

  • AdobeStock_86784638

    Business & Industry

    Mar 1, 2017

    ÁGUA-DE-COLÓNIA - TODOS OS CHEIROS DO MUNDO

    O mundo não é só pensado, falado, lido ou visto. É sentido, cheirado e ouvido. A nossa relação com as cidades é exemplo disso. Estas possuem identidades que vão sendo construídas tanto no imaginário de quem nunca as viveu...

  • DSC00353

    Food & Beverage

    Jun 1, 2017

    DELICADA DOÇURA

    Apesar das suas vastas potencialidades terapêuticas, a fruta pinha ou fruta-do-conde, do Lobito, Angola, continua a ser subestimada e "tratada" como um produto de terceira qualidade. 


  • 572e1220696469.5631227a8514a

    Mecanica e Locomoção

    Mar 1, 2017

    EXO - MAIS DO QUE UMA PRÓTESE COMUM

    Os Estados Unidos da América (EUA), país onde o número de pessoas que viu amputados algum dos seus membros ascende aos dois milhões, é o mesmo país que agora disponibiliza ao mercado uma tecnologia pioneira de próteses que...

  • C86tlqkWAAEasub

    Science & Nature

    Jul 1, 2017

    E O HOMEM CRIOU A APP

    Quem se lembra do filme Minority Report, de 2002, em que Tom Cruise ia passando a mão e os dedos num écran com informação para a organizar, ampliar ou descartar, percebe que entre aquele futuro e a realidade, o tempo foi muito...

  • 1

    Science & Nature

    Out 3, 2018

    SPROUT PENCIL

    O que acontece com um lápis de madeira depois de ser usado? Normalmente, é deitado ao lixo. Mas, e se fosse possível aumentar o seu tempo de vida, mesmo após já não restar nada que permita ser utilizado?


  • 01

    Technology

    Jan 1, 2017

    GOOGLE NA CORRIDA

    Eis o concorrente directo para o iPhone, o Google Pixel. Na Google, não foram poupados esforços no desenvolvimento do melhor sistema operacional Android 7.1 Nougat, aplicado a um telemóvel que tem imensas coisas positivas e muito...

  • Bianchi-Specialissima-1

    Sport

    Mai 1, 2016

    BAIXO PESO, ALTA PERFORMANCE

    Com acesso facilitado a fibras de carbono, a indústria das bicicletas de alto desempenho pode agora recorrer a novas tecnologias a preços mais competitivos, devido ao conhecimento desenvolvido pelas várias equipas de Fórmula 1...

  • alger_front_de_mer

    Business & Industry

    Abr 1, 2016

    Caminho Aberto a Novos Negócios na Argélia

    Detentor de uma das maiores reservas de petróleo e de gás natural do mundo, bem como de uma excelente localização, a Argélia tem desempenhado um papel fundamental para a estabilidade política no Magreb, Norte de África e na...