Technology

Jun 1, 2017

O SUPERMATERIAL

Pode parecer incrível e surreal, mas os primeiros estudos deste novo material datam de 1947. O termo para definir o material é descrito pela primeira vez em 1962. A teoria de que esta substância poderia ser um condutor eléctrico é sugerida em 1984 e o nome surge pela primeira vez em 1987, mas a primeira vez que a literatura química descreve este material, data de 1994. 

<

Não se trata de um material qualquer, definitivamente. Há mesmo quem o considere "o mais recente milagre" da ciência e da tecnologia, ou "o supremo material", o material que vai revolucionar o mundo. E não é para menos!

Recente porque, apesar das descrições académicas, o material só foi isolado pela primeira vez em 2004 e quase por mero acaso. Ao polir uma superfície de grafite com uma simples fita-cola, os cientistas Andre Geim e Konstantin Novoselov, da Universidade de Manchester, Inglaterra, notaram que, na fita, ficava agarrada uma fina película de flocos de grafite. À medida que foram descascando estas camadas perceberam que estas nunca se esgotavam, até que chegaram à mais fina camada que conseguiram obter.

Apesar de ter sido considerada bizarra e do cepticismo do mundo científico, esta descoberta valeu-lhes o Prémio Nobel da Física em 2010. E todos os que têm estado a desenvolver as propriedades deste novo material, não cessam de ficar espantados com as qualidades e possibilidades que ele trouxe ao mundo tecnológico.

De uma forma muito simples, podemos descrever o grafeno como um única e muito fina camada de grafite – sim, aquele mesmo de que é composto o bico de um banal lápis. Significa isto que deriva do elemento carbono e, portanto, possui o mesmo número de átomos, embora dispostos de forma diferente, o que lhe confere também propriedades diferentes.

A título de exemplo, tanto a grafite como o diamante são derivados do carbono, contudo possuem propriedades totalmente diferentes. Enquanto o diamante é extremamente forte, a grafite é estaladiça. E, quando se separa o grafeno da grafite, este assume propriedades miraculosas.

O material torna-se numa folha plana de átomos de carbono ligados entre si, densamente compactados e com apenas um átomo de espessura numa estrutura cristalina hexagonal. Isto faz do grafeno, o primeiro material de duas dimensões alguma vez descoberto e um dos materiais mais fortes e resistentes do universo – é 200 vezes mais forte que o aço.

Também lhe confere propriedades únicas: é flexível, quase transparente, altamente condutor e impermeável a quase todos os compostos, líquidos e gasosos (nem mesmo o hélio consegue transpor a película de grafeno).

Tecnologia do futuro

Porque não aplicar a tudo, então? Como quase tudo neste mundo, resume-se a um simples factor: custo.

A produção de grafeno ainda é demasiadamente dispendiosa e, por isso, a sua utilização só poderá ser aplicada a objectos que possam ser produzidos em larga escala. Além disso, a produção em escala industrial aumenta o risco da criação de fissuras microscópicas na superfície, comprometendo o seu desempenho e as suas propriedades.

Isto, apesar de, em 2012, um grupo de cientistas das universidades do Cairo, no Egipto, e da Califórnia, nos Estados Unidos, ter desenvolvido uma técnica de produção eficiente e rentável. Através da aplicação da radiação laser de um gravador de DVD sobre um filme de óxido de grafite, conseguiram produzir uma camada fina de grafeno da alta qualidade.

Desde a descoberta deste material, em 2004, o fascínio dos cientistas, da comunidade académica e das empresas tecnológicas não para de aumentar.

Em 2016, um grupo de cientistas chineses desenvolveu uma placa fotovoltaica, em grafeno, que provou ser capaz de produzir energia a partir de raios solares, mas também, através das gotas de chuva (páginas 74 a 77, da revista Your VIP Partner, de Dezembro de 2016).

Já em 2017, um grupo de cientistas do Instituto de Pesquisa Electrónica e de Telecomunicações da Coreia do Sul, em parceria com a Hanwha Techwin, apresentaram um ecrã OLED flexível que pretendem que venha a ser aplicável a tecidos, tornando as roupas do futuro "inteligentes".

Existe já uma certa unanimidade em considerar que este material será aplicado em breve, em áreas como o armazenamento de energia, materiais compósitos e revestimentos, bio-medicina, sensores e até na produção de filtros para purificação de água.

Mais artigos

DestaquesArtigos

  • null-stern-hotel-switzerland-alps_dezeen_1568_4

    Lifestyle & Travel

    Jun 1, 2017

    DORMIR COM AS ESTRELAS

    Sem paredes nem telhados, os quartos de hotel, que lhe mostramos na presente edição da Your VIP Partner, têm uma vista privilegiada para o céu, mais propriamente o céu dos Alpes suíços – chama-se Null Stern e é mais do que...

  • 1

    Business & Industry

    Dez 18, 2018

    AZERBAIJÃO

    O antigo, o novo e o futuro

    " O Azerbaijão é um país que impressiona em vários aspectos e é relativamente desconhecido nos países ocidentais. Partindo desde logo pelo facto de – ao contrário que muitos pensam...

  • NovaBateria01

    Technology

    Mai 1, 2017

    Chegaram as baterias do futuro

    Com 94 anos de idade seria de esperar que John Goodenough abrandasse o ritmo, contudo o inventor das baterias de lítio que têm permitido aumentar a longevidade da utilização dos telemóveis e o desenvolvimento de veículos eléctricos...


  • plantwear1

    Luxury & Fashion

    Set 26, 2018

    PLANTWEAR

    Exclusividade em cada peça

    Inspirada na madeira e nas suas formas singulares, cada peça é como cada pedaço da matéria-prima: único. Não existe uma peça igual tornando-a para além de lindíssima, muito especial....

  • the-cicret-bracelet-a-bracelet-t

    Technology

    Mai 1, 2017

    UM SMARTPHONE À FLOR DA PELE

    Ver emails ou assistir a um filme são gestos cada vez mais fáceis de executar. Que dependam de um simples toque na pele é que custa a acreditar. Tal é possível com a "Cicret", uma pulseira inteligente que transmite o visor do...

  • 1

    Science & Nature

    Out 3, 2018

    SPROUT PENCIL

    O que acontece com um lápis de madeira depois de ser usado? Normalmente, é deitado ao lixo. Mas, e se fosse possível aumentar o seu tempo de vida, mesmo após já não restar nada que permita ser utilizado?


  • Home & Design

    Set 1, 2015

    A small workshop destined to grow

    In 1965 Giorgio and Gilberto Martini started producing solid wood furniture in a small carpentry workshop in the lower regions of the province of Verona: an area with a long tradition of furniture-making. Right from the start, the firm...

  • Senator pen

    Business & Industry

    Out 1, 2015

    História Escrita

    Quando alguém na Alemanha procura uma caneta esferográfica produzida internamente, provavelmente será uma Senator. A marca tem mais de 90 anos de experiência na produção e distribuição de instrumentos de escrita. A sua inventividade...

  • Luxury & Fashion

    Abr 1, 2015

    Tailoring gentlemen's fashion for generations

    Saville Row congregates the highest number of tailors in London, and while ready-to-wear suits are available all over the city, this is still the place to go if you want a customized, high quality suit for your everyday use.