Science & Nature

Jul 1, 2017

O FUTURO INTELIGENTE

A era das coisas "smart" ameaça transformar muitas coisas em "smart"-qualquer-coisa. E, um dos aspectos importantes destas transformações, é que o tamanho das "smart"-coisas já não é uma limitação. 

<

Os conceitos de smart city ou cidade do futuro já não fica apenas no domínio da ficção científica ou de uma qualquer ideia longínqua de organização social. E não, também não se trata de serem ocupadas apenas por carros pequenos ou de Wi-Fi gratuito para todos.

Que não haja dúvida: as cidades já estão a mudar e, em breve, as nossas cidades vão ser smart! E o que contribuiu fortemente para esta profunda mudança é a tecnologia e os seus avanços.

O desenvolvimento da "Internet of Things" (uma rede de interacção entre dispositivos físicos), implementação de sensores de vários tipos e com diversas funções, redes de telecomunicações cada vez mais rápidas, sistemas de localização geográfica, "Cloud Computing" e "Big Data" têm contribuído para a simbiose dos mundos físico e digital.

Num futuro próximo, todos estes componentes estarão interligados, em comunicação permanente e em tempo real, e terão capacidade para alterar coisas tão simples como o trajecto de regresso a casa no final de um dia de trabalho.

Mas o que são, de facto, cidades inteligentes?

São cidades mais eficientes, automatizadas, autónomas, sustentáveis e agradáveis de se viver. São cidades que acolhem os habitantes em vez de os repelir.

"Imaginação pura", dirão alguns.

Estima-se que, em 2020, 20% de todos os aparelhos estejam conectados. E, os números da ONU apontam para que, em 2050, uns espantosos 70% da população global estará a viver e a trabalhar em cidades. Para se ter uma ideia, estamos a falar de 6,7 mil milhões de habitantes.

Actualmente, já estão a ser implementadas redes de transporte inteligentes e autónomas, já existem automóveis que não precisam da permanente intervenção do elemento humano e até já existem cidades onde os contentores e qualidade do lixo estão a ser monitorizados para uma melhor gestão de resíduos e até de reciclagem.

Em São Francisco, nos Estados Unidos, os sistemas de gestão de trânsito já permitem reencaminhar enormes massas de veículos por vias alternativas, reduzindo assim o consumo desnecessário de combustível e a emissão de gases poluentes. Em Barcelona, Espanha, estão já implantados sensores que permitem prever alterações climatéricas, evitando o desperdício de água. Na Holanda, na ilha de Ameland, foi recentemente instalada uma nova iluminação pública "inteligente": novas lâmpadas LED inteligentes emitem uma luz suave azul-esverdeada, tornando-se brilhante e forte mediante a aproximação de peões. E há quem considere Londres, em Inglaterra, como a cidade mais inteligente da actualidade e "um laboratório vivo para experiências tecnológicas".

Ainda acha que é imaginação?

"Inteligente" não significa apenas conectar aparelhos ou serviços, significa armazenamento de quantidades massivas de dados. O objectivo é claro: fazendo convergir a recolha de todos os dados para um centro de comando, é possível avaliar com segurança, o estado de saúde da própria cidade para que a sua eficiência possa ser melhorada a cada momento.

Porque, uma cidade, para ser inteligente, terá mesmo de o ser. Isto é, para além de recolher esse volume monumental de dados, terá de saber o que fazer com eles e, sobretudo, saber actuar em função deles melhorando o desempenho dos serviços, dos habitantes, dos transportes, equipamentos e até dos edifícios.

Existe uma corrente de opinião que defende que a criação de cidades inteligentes não é uma tendência tecnológica, mas um imperativo político, social, ambiental e económico.

E há fortes sinais de que, perante as evidências, as classes políticas estão muito empenhadas em criar suportes legais que previnam que este "lock-in" tecnológico possa ser instrumentalizado no sentido da perda de privacidade, liberdades e direitos dos cidadãos.

Isto porque, nesta era do fenómeno "Big Data", os dados recolhidos têm sido frequentemente considerados como imparciais e isentos de ideologia política. E isto não é necessariamente verdade, uma vez que estes dados estão muitas vezes condicionados a contextos, metodologia, tecnologia de recolha e sujeitos a escrutínio na fase de processamento, gestão, análise e armazenamento.

Torna-se, por isso, necessário compreender que a organização das cidades são sistemas sociais complementares e complexos, moldadas pela cultura e pela escala económica, geradoras de dinâmicas e conflitos. E que estas evoluções tecnológicas devem ser colocadas ao serviço de uma maior inclusão de diferentes origens e culturas, na criação de condições para o envolvimento dos cidadãos na tomada de decisões e na definição de futuro urbano.

Quase 70 anos após a publicação da obra "1984" de George Orwell, volta a pairar o conceito do "Big Brother".

É que, por mais inteligentes e eficientes que as (inevitáveis) cidades do futuro possam ser, é importante ter em conta que é muito provável que elas venham a destruir a democracia. E, no limite, devemos entender que os benefícios destas "smart cities" são inegáveis. E chegámos ao ponto em que a pergunta correcta não é tanto se nos podemos dar ao luxo de as construir, mas antes, se nos podemos dar ao luxo de não as criar.

Mais artigos

DestaquesArtigos

  • Depositphotos_4906403_xl-2015

    Business & Industry

    Dez 1, 2017

    UM NOVO PASSO PARA A INTERNACIONALIZAÇÃO

    Angola é o 3º país do mundo que maior apoio financeiro tem recebido da China. A reconstrução e desenvolvimento de Angola a partir de 2003 beneficiou desse apoio, especialmente para a construção de novas infraestruturas e novas...

  • tv2016-10-03-15-33-28hifile1400-1

    Technology

    Mar 1, 2017

    TELEVISÕES TRANSPARENTES - ESCONDIDAS À VISTA

    Assim mesmo! O novo conceito de ter uma televisão mesmo no meio da sala sem que seja vista chegou e até é muito superior ao que seria de esperar. Mais transparência, melhor definição de imagem, muito mais qualidade.

  • vegetacion_del_mundo_212903380_1200x803

    Science & Nature

    Ago 1, 2017

    A ÁRVORE DA VIDA

    O Baobá personifica o espírito africano. Árvore da vida, da fertilidade e solução medicinal para muitas maleitas, o Baobá tem uma importância única para comunidades inteiras. Há uma lenda no Senegal (a imagem desta árvore...


  • aula3

    Research & Education

    Mar 22, 2018

    NO TOPO DO MUNDO

    Aqui vão as más notícias: caso não tenha reparado, não existe um emprego com a designação "matemático". Portanto, não incomode os seus filhos com uma formação superior como matemático – ele, provavelmente não vai gostar...

  • 00202943

    Business & Industry

    Jul 1, 2017

    O «EL DORADO» DOS INVESTIDORES

    Terra de Pablo Neruda, Gabriela Mistral (a primeira mulher americana a receber um Prémio Nobel de Literatura, em 1945) e de Isabel Allende, a República do Chile está apostada em captar investimentos internacionais, como forma de...

  • 4897642457_ef0740e0eb_b

    Home & Design

    Mai 1, 2017

    NATURALMENTE INDUSTRIAL

    A vida não é fácil para os arquitectos e designers de interiores que gostam de usar materiais naturais na cobertura de grandes superfícies. Muitas vezes, a escolha certa, é o pior pesadelo quando procuram um fornecedor fiável...


  • brown-69465

    Business & Industry

    Mai 1, 2016

    EMBALAGEM SEGURA

    No supermercado, loja de conveniência ou centro comercial é frequente encontrar produtos que são entregues ou exibidos em caixas de cartão canelado. Fique a saber mais sobre as matérias-primas usadas na produção, o processo...

  • 1

    Home & Design

    Fev 1, 2015

    Luxury Real Estate Specialists

    Drawing upon their success as one of the world's oldest art auction houses, Christie's implemented an innovative real estate venture in 1995. Integrating centuries of experience with a hand-selected network of talented brokers, Christie's...

  • SCA 1

    Helthcare & Wellness

    Nov 1, 2016

    HIGIENE – UM CATALISADOR PARA O CRESCIMENTO ECONÓMICO

    Existe uma ligação inegável entre higiene e melhor saúde e bem-estar, com um reflexo significativo no crescimento económico dos países, segundo o relatório da iniciativa "Hygiene Matters", do grupo sueco SCA - líder mundial...