Science & Nature

Jul 1, 2017

O FUTURO INTELIGENTE

A era das coisas "smart" ameaça transformar muitas coisas em "smart"-qualquer-coisa. E, um dos aspectos importantes destas transformações, é que o tamanho das "smart"-coisas já não é uma limitação. 

<

Os conceitos de smart city ou cidade do futuro já não fica apenas no domínio da ficção científica ou de uma qualquer ideia longínqua de organização social. E não, também não se trata de serem ocupadas apenas por carros pequenos ou de Wi-Fi gratuito para todos.

Que não haja dúvida: as cidades já estão a mudar e, em breve, as nossas cidades vão ser smart! E o que contribuiu fortemente para esta profunda mudança é a tecnologia e os seus avanços.

O desenvolvimento da "Internet of Things" (uma rede de interacção entre dispositivos físicos), implementação de sensores de vários tipos e com diversas funções, redes de telecomunicações cada vez mais rápidas, sistemas de localização geográfica, "Cloud Computing" e "Big Data" têm contribuído para a simbiose dos mundos físico e digital.

Num futuro próximo, todos estes componentes estarão interligados, em comunicação permanente e em tempo real, e terão capacidade para alterar coisas tão simples como o trajecto de regresso a casa no final de um dia de trabalho.

Mas o que são, de facto, cidades inteligentes?

São cidades mais eficientes, automatizadas, autónomas, sustentáveis e agradáveis de se viver. São cidades que acolhem os habitantes em vez de os repelir.

"Imaginação pura", dirão alguns.

Estima-se que, em 2020, 20% de todos os aparelhos estejam conectados. E, os números da ONU apontam para que, em 2050, uns espantosos 70% da população global estará a viver e a trabalhar em cidades. Para se ter uma ideia, estamos a falar de 6,7 mil milhões de habitantes.

Actualmente, já estão a ser implementadas redes de transporte inteligentes e autónomas, já existem automóveis que não precisam da permanente intervenção do elemento humano e até já existem cidades onde os contentores e qualidade do lixo estão a ser monitorizados para uma melhor gestão de resíduos e até de reciclagem.

Em São Francisco, nos Estados Unidos, os sistemas de gestão de trânsito já permitem reencaminhar enormes massas de veículos por vias alternativas, reduzindo assim o consumo desnecessário de combustível e a emissão de gases poluentes. Em Barcelona, Espanha, estão já implantados sensores que permitem prever alterações climatéricas, evitando o desperdício de água. Na Holanda, na ilha de Ameland, foi recentemente instalada uma nova iluminação pública "inteligente": novas lâmpadas LED inteligentes emitem uma luz suave azul-esverdeada, tornando-se brilhante e forte mediante a aproximação de peões. E há quem considere Londres, em Inglaterra, como a cidade mais inteligente da actualidade e "um laboratório vivo para experiências tecnológicas".

Ainda acha que é imaginação?

"Inteligente" não significa apenas conectar aparelhos ou serviços, significa armazenamento de quantidades massivas de dados. O objectivo é claro: fazendo convergir a recolha de todos os dados para um centro de comando, é possível avaliar com segurança, o estado de saúde da própria cidade para que a sua eficiência possa ser melhorada a cada momento.

Porque, uma cidade, para ser inteligente, terá mesmo de o ser. Isto é, para além de recolher esse volume monumental de dados, terá de saber o que fazer com eles e, sobretudo, saber actuar em função deles melhorando o desempenho dos serviços, dos habitantes, dos transportes, equipamentos e até dos edifícios.

Existe uma corrente de opinião que defende que a criação de cidades inteligentes não é uma tendência tecnológica, mas um imperativo político, social, ambiental e económico.

E há fortes sinais de que, perante as evidências, as classes políticas estão muito empenhadas em criar suportes legais que previnam que este "lock-in" tecnológico possa ser instrumentalizado no sentido da perda de privacidade, liberdades e direitos dos cidadãos.

Isto porque, nesta era do fenómeno "Big Data", os dados recolhidos têm sido frequentemente considerados como imparciais e isentos de ideologia política. E isto não é necessariamente verdade, uma vez que estes dados estão muitas vezes condicionados a contextos, metodologia, tecnologia de recolha e sujeitos a escrutínio na fase de processamento, gestão, análise e armazenamento.

Torna-se, por isso, necessário compreender que a organização das cidades são sistemas sociais complementares e complexos, moldadas pela cultura e pela escala económica, geradoras de dinâmicas e conflitos. E que estas evoluções tecnológicas devem ser colocadas ao serviço de uma maior inclusão de diferentes origens e culturas, na criação de condições para o envolvimento dos cidadãos na tomada de decisões e na definição de futuro urbano.

Quase 70 anos após a publicação da obra "1984" de George Orwell, volta a pairar o conceito do "Big Brother".

É que, por mais inteligentes e eficientes que as (inevitáveis) cidades do futuro possam ser, é importante ter em conta que é muito provável que elas venham a destruir a democracia. E, no limite, devemos entender que os benefícios destas "smart cities" são inegáveis. E chegámos ao ponto em que a pergunta correcta não é tanto se nos podemos dar ao luxo de as construir, mas antes, se nos podemos dar ao luxo de não as criar.

Mais artigos

DestaquesArtigos

  • A3JUNIOR-BE05-A

    Mecanica e Locomoção

    Abr 1, 2017

    INVACARE ACTION 3 JUNIOR - A CADEIRA DE RODAS QUE CRESCE COM AS CRIANÇAS

    Quando pensamos em crianças e jovens, surge-nos imediatamente uma imagem de liberdade, diversão e energia. Retirar isso a uma criança é triste, sobretudo, quando razões diversas a levam a usar cadeira de rodas. A pensar nisso,...

  • Biclas09

    Mecanica e Locomoção

    Ago 1, 2017

    Kross expande para a Holanda

    Em Novembro de 2016 o mundo dos entusiastas do ciclismo ficou abalado com a falência da Multicycle, a maior empresa de fabrico de bicicletas da Holanda e internacionalmente reconhecida pelos avanços tecnológicos que a levaram a...

  • cowrok

    Business & Industry

    Set 19, 2018

    Cowork

    Escritório onde e quando quiser


    Ao longo dos últimos 20 anos, o paradigma do trabalho tem vindo a sofrer imensas e radicais alterações, fruto de vários fenómenos estruturais, económicos, tecnológicos...


  • germans-ermics-salone-del-mobile-2017-milan-design-week-furniture-glass-chairs-_dezeen_hero-a

    Home & Design

    Ago 1, 2017

    CORES TRIDIMENSIONAIS

    Para o designer letão Germans Ermičs, a importância da cor vai muito além do seu sentido decorativo. Um grande exemplo disso, são as suas peças de mobiliário translúcidas, formas perfeitas que se fundem no espaço.

    ...

  • p130511

    Home & Design

    Set 10, 2018

    PRECIOSA LIGHTING

    A região da Boémia representa um terço da actual República Checa, na Europa Central. Conhecida pelas suas paisagens românticas e pelos cristais com alto teor de chumbo, muitas outras razões existem para se conhecer o que melhor...

  • 01-Galop-DHermes.nocrop.w710.h2147483647.2x

    Luxury & Fashion

    Jul 1, 2017

    ESTRIBO ELEGANTE

    A nova garrafa de perfume de senhora do icónico Galop d'Hermès é inspirada na original, de 1930, da abertura da primeira loja da Hermès em Nova Iorque, nos Estados Unidos. Voltemos quase um século atrás.


  • ~1473762018~Charcutaria-na-Sirha-2016-2

    Business & Industry

    Ago 1, 2016

    EXPORTAR O MELHOR DE PORTUGAL

    Moscovo, a capital da Rússia, recebe em meados de Setembro, um evento dedicado exclusivamente a produtos alimentares tradicionais portugueses, como vinhos, queijos, compotas e charcutaria, organizado pela Competir Internacional,...

  • 01

    Home & Design

    Fev 1, 2017

    A MESA CINÉTICA: MOVIMENTO ETERNO

    A vida é movimento ... O movimento eterno do ciclo de vida é a base da nossa existência. A harmonia da arte cinética, música, tecnologia e design está pronto para adornar sua casa com a beleza filosófica meditativa.

    ...

  • Luxury & Fashion

    Set 1, 2015

    Nature at Tiffany's

    Tiffany. Who doesn't know the renowned brand of jewelry? Tiffany, ever since its founding, has been at the forefront of the world's greatest design movements. By the turn of the twentieth century, Louis Comfort Tiffany emerged as an...