Food & Beverage

Ago 1, 2017

SEMENTES SEM COPYRIGHT

A impressionante senda legislativa mundial chegou ao mais trivial dos produtos: os alimentos. É a mais recente tentativa do Homem, de se apoderar e controlar elementos da natureza.

<

Os organismos geneticamente modificados (OGM) estão a tornar-se cada vez mais uma presença constante na nossa alimentação. O Instituto Europeu de Patentes, apenas para exemplificar, já aceitou em 2015 que a multinacional suíça Syngenta passasse a deter os direitos de propriedade dos pimentos, "como um produto fresco, produto fresco cortado, ou para processamento, como por exemplo, a conservação em lata". Desde então os produtores de pimento começaram a pagar uma taxa à multinacional, fazendo com que os preços do pimento subissem.

Pois bem, investigadores da Universidade de Göttingen e da Escola de Agricultura de Dottenfelderhof, ambas na Alemanha, que têm acompanhado a tendência para a alteração de alimentos e respectivo patenteamento de sementes, decidiram aplicar aos OGM o mesmo princípio do software livre e dos medicamentos genéricos: acabaram de lançar uma variedade de trigo e uma variedade de tomate 'open source', ou seja, livres de direitos de autor.

A ideia não é nova, já foi tentada nos Estados Unidos e na Índia, mas estas duas instituições criaram pela primeira vez uma protecção legal para a sua invenção. Isto significa que estes produtos podem ser utilizados livremente e inclusivamente alterados, mas só desde que não se criem quaisquer patentes sobre as novas variedades de plantas que possam vir a descender destas sementes.

Johannes Kotschi é quem está a gerir o licenciamento comercial desta invenção para a Agrecol e é também um dos cientistas agrícolas que auxiliou na redacção da licença de utilização destes OGM 'open source' e, em afirmações à revista estadunidense "Science", deixou claro que esta licença "defende que podem utilizar as sementes de múltiplos modos mas que não lhes é permitido patentear ou proteger quaisquer variedades de plantas obtidas a partir destas sementes ou quaisquer sementes alteradas a partir destas".

Mas a Agrecol, que trabalha em parceria com a Universidade de Göttingen e com a Escola de Agricultura de Dottenfelderhof desde o final de Abril, tornou público o interesse das três organizações em não se ficarem pelo trigo e pelo tomate e expandirem a sua pesquisa às batatas e ao lúpulo. Note-se que a Alemanha é uma das principais produtoras e consumidoras de cerveja do mundo, daí ser perfeitamente natural relevar a livre alteração e inovação das sementes de lúpulo, cruciais para a fermentação da cerveja.

O jornalista Lucas Larsen relata na "Science" que "há milénios que as pessoas tentam germinar plantas à procura de obter características mais favoráveis, como a resistência às secas e às infestações. Mas até 1930, quando os Estados Unidos começaram a aplicar a lei das patentes às plantas, os produtores pouco podiam fazer para consolidar a sua propriedade sobre uma nova variedade".

Desde então, contestam os criadores das variedades 'open source', essas patentes e protecções de propriedade intelectual sobre sementes e plantas na prática têm evitado que os investigadores possam tentar criar e melhorar as variedades das plantas já patenteadas. Uma vez que as grandes companhias praticam uma política de aquisição internacional, as patentes encontram-se cada vez menos dispersas, concentrando-se em alguns conglomerados e afectando as empresas de menor dimensão.

O modelo 'open source' servirá para complementar o mercado global de organismos geneticamente modificados já patenteados. Não se prevê que alguma vez os possam substituir ou tornar-se dominantes, uma vez que tal iria afectar não só as grandes empresas, mas também os vários laboratórios e universidades que investigam, aprimoram e criam novos OGM mais eficazes que os já existentes, pois esses laboratórios e universidades dependem em grande parte dos dividendos que obtêm dos direitos de autor para manter as suas investigações. O futuro passará certamente por um equilíbrio entre as duas opções, tendo em mente que alguns países ainda não legislam os direitos de autor para organismos vivos.

Mais artigos

DestaquesArtigos

  • as-lentes-de-um-genio.html

    Culture & Art

    Abr 1, 2017

    O FOTÓGRAFO SEM MEDO

    Ousado, chocante, vibrante, sem medo, sem a preocupação de ser aceite ou rejeitado, mas sempre com o desejo de nos deixar sem palavras perante a sua arte. Assim é este americano, nascido em 11 de Março de 1963, em Hartford, Connecticut,...

  • 1st-Sydney-TonerPave-Street-Sept14-3(1)

    Business & Industry

    Abr 28, 2018

    RECICLAR, REUTILIZAR, REPAVIMENTAR

    O e-lixo é um problema crónico e global de poluição. Relatórios da United Nations University demonstram que apenas 20 por cento do e-lixo gerado, é depois colocado em programas oficiais de reciclagem

  • Furoshiki

    Home & Design

    Jun 1, 2017

    EMBRULHE OS SEUS PÉS

    Furoshiki é o nome da arte tradicional japonesa de embrulhar objectos em pano. Agora, pela mão da marca italiana Vibram, esta arte é também aplicável aos pés.  


  • Cerveja006

    Science & Nature

    Abr 1, 2017

    CERVEJEIRA DB - DA AREIA AO VIDRO À AREIA

    As cervejeiras DB da Nova Zelândia, que em 2015 já se tinham tornado conhecidas graças ao reaproveitamento que faziam das leveduras que sobravam após a fermentação da cerveja para criar biodiesel, voltam à carga com uma inovação ecológica...

  • c0b3fe9d8db2be5ec1c3b228963b0131_original

    Mecanica e Locomoção

    Ago 1, 2017

    LIVRE PARA ANDAR

    O Verão está de volta ao hemisfério norte e isso significa menos roupas, mais tempo de lazer ao ar livre em praias e campo, libertar-se do sufocante vestuário de Inverno e do calçado pesado.

  • levizen-water-levitation-4

    Home & Design

    Jul 7, 2018

    ÚTIL E INVULGARMENTE BONITO

    O LeviZen é uma peça de design com um 'look retro' e usa ondas de som com frequências altas para levitar água e luz. É financiado através da plataforma Kickstarter e já ultrapassou o valor de investimento inicial, partindo...


  • The Live Romance of Kenya

    Science & Nature

    Dez 31, 2015

    O Vivo Romance do Quénia

    Se for o sortudo a receber um ramo de impressionantes rosas nem dia de São Valentim, é provável que tenham vindo do Quénia. Este país é o terceiro maior exportador de flores cortadas no mundo, contribuindo com cerca de 25%...

  • CC_Freya_Boppard_Vert_121102

    Lifestyle & Travel

    Abr 1, 2016

    Retiros Fluviais

    Navegar pelas águas calmas de um rio é, além de relaxante, uma das formas mais confortáveis de viajar e fazer férias com uma importante componente cultural. A divisão de cruzeiros fluviais da Viking Cruises, uma das maiores companhias...

  • Bianchi-Specialissima-1

    Sport

    Mai 1, 2016

    BAIXO PESO, ALTA PERFORMANCE

    Com acesso facilitado a fibras de carbono, a indústria das bicicletas de alto desempenho pode agora recorrer a novas tecnologias a preços mais competitivos, devido ao conhecimento desenvolvido pelas várias equipas de Fórmula 1...