Culture & Art

Mai 1, 2016

Rock in Rio

Roberta Medina, Vice-Presidente Executiva do Rock in Rio

Conheça em detalhe a maior indústria de música do Mundo – o Rock in Rio (RiR), que tem lugar entre 19 e 29 de Maio, em Lisboa, Portugal. "O RiR fomenta o turismo, gera emprego e movimenta a economia nas cidades onde se realiza", RM.

<

YVP - A ideia que o Rock in Rio é uma plataforma de comunicação que visa construir um Mundo melhor através da música está assimilada pelo público, independentemente dos países onde se realiza, ou quem o frequenta pensa nas bandas?

RM - Cerca de 50% do público afirma ir ao Rock in Rio por causa da festa, escolhem o dia de acordo com os artistas. A variedade de atrações, a qualidade das infra-estruturas e o serviço, tudo é importante. Por isso, garantimos sempre um line-up com grandes nomes nacionais e internacionais, entretenimento e música diversificados. A "Cidade do Rock" é um parque temático de música, com slide, roda gigante, patrocinadores, apostas arrojadas em inovação, como temos, este ano, o "Musical" e as "Pool Parties" na Eletrónica; é oferta de uma diversidade enorme com a EDP Rock Street, cujo tema é o Brasil, o Palco Vodafone que aposta na música nova, alternativa. A cada ano, o RiR oferece melhores infra-estruturas para que, e acima de tudo, os visitantes se sintam confortáveis e seguros. Quem vai ao RiR sabe que vai viver 12 horas de pura festa, harmonia e felicidade com amigos, família e diferentes pessoas que, pela oferta que o maior evento de música e entretenimento do mundo oferece, recarregam energias, deixando problemas e preocupações à porta. A cidade entra em clima "EU VOU!". O público sabe que o RiR tem iniciativas concretas "Por Um Mundo Melhor", e valoriza isso.

O conceito reflecte-se em mais público?

Acreditamos que sim! Quando o projeto social foi lançado, a nossa pesquisa indicou que 80% das pessoas comprava um produto mais caro, se fosse para contribuir activamente para uma causa social/ambiental.

Quais foram as mudanças mais relevantes decorrentes das iniciativas sociais do Rock in Rio?

Sempre focado na premissa "Por um Mundo Melhor", desde 2001, o RiR investiu cerca de 24 milhões de euros em projetos sociais e ambientais. O impacto das nossas ações está à vista: 304 mil árvores plantadas até 2016 em projetos de reflorestação; 100% de compensação das emissões do evento de gases com efeito estufa; mais de 200 entidades apoiadas; mais de 56 mil beneficiários anualmente no mundo; 100 salas de aula no Rio de Janeiro; 28 projetos da UNESCO financiados; uma escola na Tanzânia; um centro de saúde no Brasil; 14 salas sensoriais para cegos e jovens com deficiências; 760 painéis solares em 38 escolas portuguesas (prémio internacional "Energy Globe Awards"); 10 salas de música em escolas públicas brasileiras; 2.200 instrumentos doados a 150 ONGs brasileiras; 40 jovens formados em assistente de "luthier"; 80 bolsas de estudo em educação musical; 15.632 refeições e 37.000 sandes doadas a instituições de apoio a famílias em Portugal e nos EUA.

Que projectos sociais o Rock in Rio apoia em 2016?

Este ano, o RIR tem um projeto social próprio, o "Amazonia Live" que vai até 2019, atravessando as várias edições e países onde o evento está, e não só. Comprometemo-nos a plantar um milhão de árvores na Amazônia. O objetivo é de, com apoios e doações, chegar aos três milhões. Já chegámos a 2,1 milhões de árvores com a ajuda do Banco Mundial e da Universidade Estácio de Sá.

A Sustentabilidade é uma das vossas preocupações, exemplo disso é a certificação ISO 20121. Há dados sobre as medidas implementadas?

A ISO 20121 veio coroar o trabalho feito desde a primeira edição. A preocupação é o bem-estar do público e de todos os que estão relacionados com o evento. Focamo-nos na melhoria contínua e no compromisso de assumir as nossas responsabilidades e impactos causados. As medidas não são mensuráveis, reflectem-se na qualidade do que entregamos ao público, marcas e fornecedores. Investimos mais de 24 milhões de euros, compensámos 100% as emissões de carbono do evento, temos uma taxa de reciclagem global média de 70% e apoiamos várias causas sociais. Apoiámos cerca de 200 entidades que servem anualmente mais de 56.000 pessoas; doamos materiais no fim do evento (relva sintética, alcatifa, tecidos, restos de cenografia); fizemos uma auditoria energética em 2014 que levou à redução do número de geradores em 2016; temos um prémio que distingue o fornecedor, loja e stand com as performances mais sustentáveis, estabelecemos parcerias com empresas de transportes para facilitar o acesso em transporte coletivo...

Está a ser dado grande destaque à iniciativa "Amazonia Live". Fale-nos sobre ela. Quantas árvores plantaram no total das iniciativas do RiR?

"Amazonia Live" é o projeto social do RiR até 2019, com o mote "Mais do que Árvores, Vamos Plantar Esperança". Queremos impulsionar a mudança de comportamento para que cada um faça a sua parte no dia-a-dia para combater as alterações climáticas. A Amazonia abriga a mais importante reserva de biodiversidade do mundo, tendo um papel fundamental na redução do aquecimento global. Com esta acção, vamos restaurar as áreas desflorestadas nas cabeceiras e nas nascentes do "Rio Xingu". Segundo a Rede Amazónica de Informação Sócio-ambiental Georreferenciada (Raisg), de 1500 a 1977, cerca de 4,7% da Amazonia foi desflorestada e, só nos últimos 36 anos esse número subiu para 18%. 632 mil km2 foi a extensão de florestas que o Brasil perdeu até 2013. Até hoje, foram plantadas 304 mil árvores em projetos de reflorestação em Portugal, Brasil e EUA.

O Rock in Rio é também uma indústria. Quantas marcas estão associadas ao "festival" 2016?

Este ano, o patrocinador master é a Vodafone e os patrocinadores oficiais são a Samsung, Santander Totta, Continente, Pepsi Max e EDP. Temos ainda como media partners a SIC, o Grupo R/Com, Diário de Notícias e Sapo. Nos dias de evento, chegamos a cerca de 40 marcas presentes na Cidade do Rock.

Em que país teve mais impacto enquanto indústria e iniciativa social?

O RiR fomenta o turismo, gera emprego e movimenta a economia nas cidades onde se realiza. No total das edições, o RiR e parceiros investiram mais de 24 milhões de euros em causas sociais e ambientais. Foram criados mais de 173 mil postos de trabalho. No Brasil, segundo a Secretaria de Turismo do Rio de Janeiro (Riotur), o evento gerou em 2011, 2013 e 2015, um impacto superior a mil milhões de dólares, atingindo em média 90% de ocupação da rede hoteleira, com cerca de 46% do público vindo de fora do Rio. Em Las Vegas, EUA (2015), gerou 107 milhões de dólares, mais 90 mil dormidas que em época "normal" (Fonte: Las Vegas Convention and Visitors Authority). Em Portugal, o impacto económico de uma edição é de 63 milhões de euros (Fonte: Universidade Católica, 2010).

Quanto custa o RiR? Quem factura mais, o RiR ou as empresas associadas ao evento?

O investimento para este ano, (construção do evento, marketing, infra-estruturas, contratação artística, RH, logística, fornecedores), é de 25 milhões de euros. É o mercado que ganha, pois é um impacto económico para mais de 40 marcas e centenas de fornecedores.

Quanto facturam em merchandising?

Cerca de 2% da receita de cada edição.

Quantos postos de trabalho permanentes existem, e quantos criam por evento?

A equipa fixa a um ano do evento é de 40 pessoas espalhadas pelo mundo. A equipa cresce com o aproximar de cada edição. A seis meses do evento, temos 100 colaboradores. O número aumenta gradualmente, alcançando o pico nos dias de festa com uma equipa que vai das 8, às 17 mil pessoas, dependendo do país.

Número de visitantes previstos para 2016?

Mais de 300 mil, como é habitual nas edições do evento em L

Mais artigos

DestaquesArtigos

  • 1

    Science & Nature

    Out 3, 2018

    SPROUT PENCIL

    O que acontece com um lápis de madeira depois de ser usado? Normalmente, é deitado ao lixo. Mas, e se fosse possível aumentar o seu tempo de vida, mesmo após já não restar nada que permita ser utilizado?

  • gal_01

    Lifestyle & Travel

    Jul 1, 2017

    VISTA PACÍFICA

    San José del Cabo, na ponta sul da Baja California, no México, é a anfitrião do mais recente trabalho do arquitecto mexicano Miguel Angel Aragonés. A região fica separada do continente pelo Mar de Cortez, uma faixa de mar que...

  • Depositphotos_39732177_xl-2015

    Science & Nature

    Mar 1, 2017

    ILHA DE PÁSCOA - O MISTÉRIO PERMANECE

    É talvez um dos segredos mais bem guardados da Humanidade, as "Moais", também conhecidas como as "Cabeças da Ilha de Páscoa", estátuas esculpidas a partir das pedras do vulcão "Rano Raraku", que podem pesar 88...


  • 170228111024-iran-abbasi-hotel-header-1400-1-2-super-169

    Lifestyle & Travel

    Mai 1, 2017

    O CONTO DE FADAS DA PÉRSIA

    A forma mais romântica de passar uns maravilhosos dias de primavera é visitando a florescente Pérsia. Os melhores meses de primavera no Irão são Abril e Maio. É a época mais agradável, quando as árvores estão cobertas de...

  • Cogumelos01

    Food & Beverage

    Mai 1, 2017

    Do Mosto ao Gourmet

    Alex Villeneuve, com apenas 21 anos e prestes a tornar-se mestre cervejeiro pela Olds College, ao aperceber-se da quantidade de mosto (o que sobra dos cereais após a fermentação da cerveja) cujo único destino era o lixo, achou...

  • 1986661-eye_1024

    Helthcare & Wellness

    Jul 1, 2017

    SOLUÇÕES À VISTA

    Uma das maiores causas de cegueira no ser humano é a degeneração dos fotorreceptores da retina. Até agora, não existe um tratamento clínico eficaz para estes distúrbios na retina. Mas isto parece que vai mudar em breve.

    ...


  • 1

    Home & Design

    Ago 1, 2015

    Soft and cozy only from Vitebsk

    The carpet in the house carries out some functions: warms a floor, gives a cosiness and integrity to an interior, connecting in harmonious unity its separate components. Therefore the given accessory choose in conformity with style of...

  • 1.-Competir-Formacao-Form-to-Grow

    Business & Industry

    Nov 1, 2017

    FORMAR PARA CRESCER

    A empresa líder de mercado, mostra a qualidade que a distingue há 24 anos. Os recursos humanos qualificados e a excelência nos serviços prestados colocam a Competir mais uma vez em Nº1 no mercado da formação.

  • 1

    Luxury & Fashion

    Ago 1, 2015

    Natural Born Timekeepers

    For almost eight decades, Citizen has been ahead of its time. This brand has always stood for innovations and high precision that make life better for everyday people. As a true manufacture d'horlogerie, CITIZEN integrates a comprehensive...