Science & Nature

Dez 1, 2017

OCEANOS EM PERDA ACELERADA

Desde os tempos mais remotos, a pesca tem sido uma das grandes fontes de alimento da humanidade. A riqueza dos recursos marinhos foi sempre assumida como uma dádiva ilimitada da Natureza. 

<

Por NARUTO SHIZUKA

Mas, com o aumento do conhecimento e do desenvolvimento dinâmico das pescas a partir dos anos 50 do século passado, este mito tem desaparecido face à utilização intensiva dos recursos marinhos que, embora renováveis, não são infinitos e necessitam de ser bem geridos de modo a oferecer o seu contributo para o bem-estar da sociedade.

A pesca desenfreada pode ser mais prejudicial a ecossistemas marinhos que a poluição, alertou a directora-geral da organização não governamental (ONG) Oceana, Monica Peres.

Para a diretora-geral da ONG, muitas pessoas pensam que os oceanos têm uma distribuição uniforme das formas de vida em toda a sua extensão quando, na verdade, há grandes agregações de seres vivos em espaços restritos e áreas gigantescas sem vida. Quando a pesca é feita sem o manejo adequado nessas áreas em que a vida se concentra, o equilíbrio dos ecossistemas é ameaçado.

"Às vezes, a pesca é feita para retirar uma espécie que é abundante, mas com ela, aparecem espécies que vivem muitos anos e que se reproduzem lentamente. Essas espécies mais vulneráveis não aguentam a intensidade de pesca que a espécie-alvo aguenta", defende Monica Peres, destacando que é preciso proteger as espécies que são pescadas e usadas como alimento e as demais, que, quando caiem nas redes de pesca, são devolvidas mortas ao mar sem que existam benefícios.

"Precisamos respeitar a capacidade daquelas populações de se reporem. Toda a extracção de recursos vivos tem de ser feita dentro da capacidade do organismo de se repor", afirma.

Acções de preservação e de manejo, na visão da pesquisadora e de armadores pesqueiros, poderão contribuir para que os ecossistemas marítimos sejam capazes de resistir às mudanças climáticas no planeta.

Reservas ameaçadas

Já em 2010, o então secretário Geral da ONU, Ban Ki-Moon, lembrava ao mundo que "uma grande parte dos recursos que assumimos como inesgotáveis estão gravemente ameaçados, implicando impactos profundos nos ecossistemas, economias e subsistência humana".

Daí para cá, a intensificação da pesca industrial tem levado à extinção das práticas tradicionais de pesca que preservam a riqueza natural das águas. Hoje, os métodos de pesca utilizados são os que capturam mais peixe em menos tempo, ignorando a destruição dos habitats marinhos e a perturbação de toda a cadeia alimentar dos oceanos.

A taxa de consumo dos produtos piscícolas continua a crescer a um ritmo superior ao da taxa da população mundial, colocando as reservas de peixe existentes sob enorme pressão (até 2025 é estimada uma população de 8,5 mil milhões de pessoas, sendo necessário pescar 162 milhões de toneladas para garantir o consumo de 25 quilos de peixe por pessoa e por ano). No entanto, a indústria da pesca, na maioria dos casos, parece querer continuar a fechar os olhos à viabilidade do sector a longo prazo, incentivando a exploração excessiva e descontrolada na corrida para pescar o último peixe dos oceanos.

As consequências da perda gradual da vida marinha dos oceanos poderão ser catastróficas no futuro. Aliás, como afirmam investigadores e vários dirigentes da indústria, as águas europeias estão praticamente esgotadas. No oceano Pacífico, as grandes frotas estrangeiras de pesca estão a eliminar o único meio de sobrevivência das populações locais costeiras: o atum. Muitas águas africanas, que serviram de palco para as operações de pesca europeias e asiáticas durante muitos anos, encontram-se hoje sobre-exploradas ou totalmente esgotadas, com os navios do Norte a deslocarem-se para a América do Sul.

Este alerta geral para a crise dos oceanos, tem incentivado um número crescente de consumidores e de armadores pesqueiros a defenderem que a biodiversidade é crucial para a existência de ecossistemas saudáveis e ricos.

Com menos de um por cento dos oceanos protegidos e os cientistas a apontar para o colapso iminente das reservas de peixe, é urgente travar a perda da vida dos oceanos e responder aos apelos da ONU para protegermos os recursos que consumimos.

PESCA SUSTENTÁVEL

Em todo mundo a pesca é uma actividade de alto valor social e é um trunfo para as economias, cuja gradual importância em relação aos outros sistemas de produção de alimentos tem evoluído, devido à prática sustentável que o sector pesqueiro tem desenvolvido e na criação de postos de trabalho no sector primário.

Os Governos e as organizações internacionais têm adoptado medidas para difundir os benefícios nutricionais e promover o consumo de produtos aquáticos, estimulando a sua inclusão na dieta alimentar diária.

Contudo, é necessário ter em consideração o impacto negativo da pesca nos ecossistemas aquáticos e os impactos ou ameaças e restrições sobre a pesca nos rios ou lagoas.

No que diz respeito à Pesca Continental, ela deve ser valorizada especialmente pela relevância dos meios de subsistência das populações. A actividade piscatória nos rios e lagoas deve ser parte fundamental de uma família comunitária cujo modo de vida depende de vários recursos naturais, implícitos no desenvolvimento sustentável para a redução da pobreza.

Por isso, os investimentos na pesca continental não podem ser negligenciados, já que as capturas nos rios e lagoas permitem enriquecer a dieta alimentar e os excedentes podem ser vendidos, dando rendimentos suplementares às famílias.

O mesmo se passa com a pesca artesanal no mar, que cria milhares de postos de trabalho e garante rendimentos importantes aos pescadores. São estes aspectos que têm colaborado de forma fundamental para o incentivo do desenvolvimento do sector pesqueiro mundial, onde a pesca artesanal no mar e nas lagoas e rios já representa grandes ganhos para as comunidades piscatórias ribeirinhas.

A pesca no mar e a pesca continental são faces da mesma moeda e não corpos estranhos ou diferenciados. A aquicultura convencional é rentável na costa marítima. Mas deve ser feita uma aposta forte no incremento da produção natural de recursos piscatórios, defendem os especialistas.

Mais artigos

DestaquesArtigos

  • langostino-gambon-austral-alta

    Science & Nature

    Mai 1, 2017

    DE CAMARÃO A PLÁSTICO

    Por algum tempo, durante o século XX, o plástico foi considerado uma das maiores invenções da Humanidade. Senhoras e senhores por todo o mundo, usavam como prémio, quando iam às compras. Depois tornou-se numa dor de cabeça, ainda...

  • 310

    Technology

    Ago 1, 2017

    O REI DA SEGURANÇA DOMÉSTICA

    O mundo não é, de forma alguma, um lugar seguro. Quer viva num apartamento no 12º piso ou numa grande vivenda na zona rural, vai sentir-se muito mais seguro depois de instalar um destes.

  • food_salad_pexels

    Food & Beverage

    Abr 27, 2018

    PARADIGMA ALIMENTAR INOVADOR

    A nova tendência de alimentação chegou para ficar. As taças coloridas, as flores comestíveis e plantas saudáveis são a escolha para este ano! 


  • Doha-Skyline-3

    Business & Industry

    Abr 13, 2018

    UMA NOVA ETAPA PARA O MÉDIO ORIENTE

    Infelizmente, falar de Médio Oriente traz muitas vezes associada a ideia de guerra e conflitos, pois esta região charneira entre o Ocidente e o Oriente ainda não encontrou uma situação completamente estável desde o fim do Império...

  • Sony005

    Technology

    Abr 1, 2017

    LENTES DE CONTACTO SONY - GRAVAR NUM PISCAR DE OLHOS

    Ainda se recorda de quando os óculos que gravam e transmitem imagens ao vivo eram uma novidade? Já pode esquecer essa tecnologia obsoleta. A Sony patenteou uma lente de contacto capaz de gravar vídeos que pode ser controlada por...

  • dot-watch-8-1

    Technology

    Abr 1, 2017

    DOT WATCH - SENTIR AS HORAS

    Para quem está a ler, neste momento, esta revista, este é um exercício normal que, aparentemente, não exige nenhum esforço especial, para além de manter os olhos abertos e descodificar graficamente letras agregando-as em palavras.

    ...


  • Luxury & Fashion

    Out 1, 2015

    Moda 360º

    Desde a pequena agência de modelos até à empresa de gestão de moda e eventos passaram 14 anos. Hoje, a Fashion Studio tem uma gama de serviços única e a capacidade para lidar com todo o tipo de eventos.

  • 4

    Business & Industry

    Jul 1, 2015

    You Can Invest in the Business of the Century

    Normally, fuels like gasoline, diesel and other refined products are produced in oil refineries where crude oil is processed and refined. It is unusual to speak about producing such products of other origins. But there are less known...

  • 3

    Business & Industry

    Ago 1, 2015

    Helping you build the world

    Ever since the construction of the Portland Eldorado cement plant in the town of Apiaí in the state of Sao Paulo, Brazil, in 1968, InterCement has been on the road to growth and success, investing heavily in new plants, acquisitions...