Business & Industry

Fev 1, 2017

NOVOS PARÂMETROS DA INDÚSTRIA MEDIÁTICA

Com o mote: "Afirmar o Jornalismo", o Cinema de São Jorge, um dos mais prestigiados e antigos de Portugal (a abertura data de Fevereiro de 1950), recebeu o "4º Congresso dos Jornalistas Portugueses", em Janeiro último, onde se discutiu o futuro do sector, nomeadamente o papel dos jornalistas, a concorrência e o financiamento dos meios de comunicação social.

Para além do papel do jornalismo, dos jornalistas, das condições de trabalho, salários, ética e deontologia profissional, tiveram lugar diversos debates que envolveram directores e patrões dos meios de comunicação social do país.

Ficou claro, que o jornalismo se confronta hoje com duas premissas muitas vezes opostas. Por um lado, a de afirmar a sua missão de sempre, interpretar, informar e servir a sociedade, os leitores, os ouvintes, os telespectadores e os anunciantes. Por outro lado, a de influenciar a opinião pública, atrair mais "clientes" e contratos publicitários.

A "procura de novas receitas" levou a uma crescente espectacularização do jornalismo, nos últimos anos. Contudo, concluiu-se que não só descaracterizou a classe e a credibilidade dos conteúdos, como não trouxe a solução em termos de financiamento da indústria. Nesse sentido, os olhos estão agora postos nos novos players como a Google e o Facebook, dado que estes conseguem colocar publicidade a um preço mais baixo. A Internet, as redes socias e os dispositivos móveis surgem assim como as novas plataformas que permitem produzir e disseminar conteúdos de forma mais instantânea, mas também mais efémera. A informação circula a grande velocidade, é actualizada constantemente e é partilhada e transformada pelo público através de comentários e de opiniões. O jornalismo é hoje mais participativo, contudo, verifica-se que não basta ter leitores, ouvintes, audiência, há que fazer com que estes partilhem o que leem, ouvem e vêm. Por isso, os contratos publicitários, tão importantes para a sobrevivência dos meios de comunicação social têm de reger-se por estes novos parâmetros da indústria.

A concorrência da Google e das Redes Sociais, bem como a fraca regulamentação dos canais de televisão estrangeiros disponíveis foram igualmente apontados como comprometedores do trabalho jornalístico, sendo necessário mudar a legislação que regula estas matérias.

A "sustentabilidade" foi um tema consensual para os patrões dos média, não só pela necessidade de encontrar novas formas de rentabilizar o sector, mas também para viabilizar um jornalismo de qualidade. Segundo o presidente do grupo português Global Media, «o digital vai sobrepor-se, a curto/médio prazo. É urgente ter um modelo de negócio para nossas empresas, que seja sustentável», afirmou Daniel Proença de Carvalho.

Para Francisco Pinto Balsemão, patrão do grupo Impresa, «só uma empresa que consiga ganhar dinheiro é que pode realizar despesas, investimentos e garantir a independência dos seus conteúdos».

Paralelamente a esta nova realidade, observa-se um crescente interesse em publicar, divulgar e na leitura de artigos científicos, de tecnologia, saúde e de investigação, enquanto o cresce o desinteresse pelo sensacionalismo mediático.

Quem também tem testemunhado esta nova tendência é o vencedor do "Pulitzer de Serviço Público em 2003", e jornalista de investigação no "Boston Globe", Michael Rezendes, que esteve no referido "Congresso". Para o jornalista norte-americano, «as dificuldades sentidas, actualmente, na indústria são semelhantes a nível global, não são exclusivamente portuguesas. Continua a ser fundamental ter jornalistas na rua em vez de sentados nas redacções, e contrariamente ao que se afirma, fazer jornalismo de investigação é economicamente viável e faz sentido porque os artigos de investigação fazem aumentar o número de subscritores do jornal», explicou aludindo à sua experiência pessoal.

Para a Organização, dos debates realizados conclui-se que «a dimensão reduzida das redacções, o tempo para a execução do trabalho e os baixos salários são alguns dos aspectos que comprometem a qualidade da informação prestada aos leitores e consequentemente a profissão».

O estatuto de fonte, a definição e o papel do jornalista vão merecer maior vigilância das entidades portuguesas competentes. Foi ainda aprovada uma resolução com 12 pontos, aprovada sem votos contra e sem abstenções. Os profissionais esperam a aplicação das medidas e que a classe se reúna com mais frequência. Recorde-se que passaram 18 anos do último "Congresso" realizado no país. A título de exemplo, a Federação Internacional de Jornalistas (FIJ) já vai no 29º Congresso e reúne de três em três anos para reflectir sobre a profissão.

Mais artigos

DestaquesArtigos

  • Business & Industry

    Set 1, 2015

    The european car rental giant

    Europcar is one of the major car rental players on the planet. Since its humble origins in France, the company went to become european leader and establish a group that gathers car renting, fleet management and services, always with...

  • 1

    Culture & Art

    Jul 1, 2015

    Extraordinary glassmaking

    Bohemian glass, sometimes referred to as Bohemia crystal, is glass produced in the regions of Bohemia and Silesia, now parts of the Czech Republic. It has a centuries long history of being internationally...

  • Recycled_tires

    Business & Industry

    Abr 1, 2016

    Combustível Novo de Pneus Usados

    Os pneus usados são um dos subprodutos mais comuns da actual indústria automóvel. Empilhados e esquecidos ao longo de décadas, os pneus usados estão a ser aproveitados para projectos de urbanismo e desenvolvimento de território...


  • nano-technology-1480553

    Technology

    Jul 1, 2016

    O FUTURO DOS NANOROBOTS

    Os nanorobots parecem algum tipo de criaturas fantásticas descritas nas páginas dos livros de ficção científica, no entanto, estão "na moda" nos laboratórios de nanotecnologia em todo o mundo.

  • Potatoes For All

    Food & Beverage

    Dez 31, 2015

    Batatas para Todos

    Embora a sua origem seja bem clara, a introdução da batata no Paquistão é um pouco difusa. No final do século XVI ou princípios do século XVII, a batata foi levada até à Costa da Ásia Meridional. Em inglês, a palavra "potato"...

  • Business & Industry

    Out 31, 2015

    Brincar é Crescer

    Na GameTime, as vidas das crianças e comunidades são enriquecidas através da brincadeira. Porque, como engenheiros, pais, fabricantes e membros das comunidades da empresa, acreditam na brincadeira.


  • New-Year

    Culture & Art

    Dez 1, 2017

    ENTRAR COM O PÉ DIREITO

    O Ano Novo é uma época para renovar promessas, fazer planos e tomar resoluções. Cercada de simbolismo, a data é comemorada de diferentes maneiras ao redor do globo e não faltam superstições e rituais realizados na passagem...

  • DSC00353

    Food & Beverage

    Jun 1, 2017

    DELICADA DOÇURA

    Apesar das suas vastas potencialidades terapêuticas, a fruta pinha ou fruta-do-conde, do Lobito, Angola, continua a ser subestimada e "tratada" como um produto de terceira qualidade. 

  • 978x0

    Culture & Art

    Jun 1, 2017

    O ETERNO CAPITÃO

    Os franceses consideram-no uma das mais importantes figuras da sua história. Se tal não fosse redutor, até poderia ser verdade. A verdade, porém, é que este senhor, cuja imagem associamos de imediato ao gorro vermelho, foi uma...