Science & Nature

Mai 1, 2017

EU, O SER COLECTIVO

Alguma vez parou para pensar que você não é um, mas sim muitos? Não me refiro apenas ao legado histórico, aquilo que assimilou dos seus pais, genes, tiques, maneiras de falar etc. Refiro-me a quantidade de organismos que fazem de si o que é, dos quais depende a sua vida e, até, a forma como a vive. 

<

São milhares de milhões, são mais do que as suas células e dão-lhe capacidades que você não teria sem elas. Vivem em si e dentro de si. Estou a falar das suas bactérias. Ou será que é você que é delas?

Quando em 1673 Van Leeuwenhoek, com o seu recém inventado microscópio, descobriu aquilo a que chamou animálculos, micro-organismos a que agora vulgarmente chamamos bactérias, estava longe de ter consciência de todo o impacto que essa descoberta iria ter. Na altura a origem das doenças não lhes foi atribuída imediatamente. Também a ideia da sua utilização não foi imediata, embora o homem já usasse estes seres há muitos milhares de anos sem o saber.

É apenas em 1859, que Louis Pasteur revela o papel das bactérias na fermentação e, posteriormente, em conjunto com Robert Koch (que daria o seu nome ao bacilo responsável pela Tuberculose), criam a Teoria microbiana das enfermidades.

Embora a descoberta de que, as bactérias desempenhavam também um papel benéfico na fermentação do leite para a obtenção de queijo, do vinho, vinagre ou da cerveja, foi como vilões que passaram a ser encaradas.

De facto, a falta de capacidade para controlar este "inimigo invisível" foi responsável por muitas mortes por Tuberculose, Tétano, Cólera, Sífilis, Pneumonia, entre outras. É apenas em 1928, após vários anos de pesquisas por causa do número de mortes, por infecção, entre os soldados da primeira guerra mundial, que Alexander Fleming descobre, diz-se que por acaso, a penicilina. Desenvolveram-se então vários antibióticos, as "bombas atómicas" das bactérias.

De vilões a aliados

Apesar de já haver indícios promissores, desde 1917, para o uso benéfico das bactérias, não só na fermentação, mas também na produção de, por exemplo, acetona; a chamada biotecnologia era apenas utilizada no processamento de alimentos – fermentação e enriquecimento de solos; e é só com a modificação genética das bactérias que começa a grande revolução da biotecnologia. Primeiro, em 1978 com a experiência de Herbert Boyer, na produção de insulina humana pela bactéria Escherichia Coli e, mais tarde, em 1980, com a decisão do supremo tribunal dos EUA de atribuir uma patente a uma bactéria geneticamente modificada (neste caso para decompor o petróleo bruto), utilizada, por exemplo, em derrames. Esta decisão acabou por abrir a viabilização económica de investimentos particulares na indústria da biotecnologia em geral e na investigação de biodegradantes para a poluição em particular – a biorremediação.

Após o fundamentalismo do asséptico no fim da década de 1990 e início do novo milénio, a comunidade científica foi desenvolvendo estudos que demonstraram, por um lado, o papel essencial das bacterias na saúde humana e, por outro lado, foi sendo revelada e concebida a saúde e o ser humano como resultado de todo um sistema de equilíbrio, não só com o ambiente externo, mas também com a interacção com as bactérias que vivem em nós e das quais depende a qualidade da nossa saúde e a própria vida.

O Eu colectivo

Partindo do que já se sabia sobre a flora intestinal, isto é, o papel da comunidade bacteriana na regulação do funcionamento do intestino e de como a alteração do seu equilíbrio, através da alimentação, pode causar diarreias ou prisão de ventre, as investigações foram-se estendendo a outros órgãos.

Estas acabaram por revelar distintas comunidades bacterianas na boca, esófago e estômago, bem como noutros sistemas como no respiratório, nariz, faringe e pulmões, e na pele. Esta caracterização acabou por resultar naquilo que foi chamado de microbioma humano e revelou informações surpreendentes como, por exemplo, a existência de mais bactérias no nosso corpo do que células, numa relação de 1 para 10, distribuídas por cerca de mil espécies diferentes. Ou de como é possível determinar, a partir da nossa "paisagem bacteriana", os nossos hábitos alimentares, sexo, idade, local, e mesmo se temos filhos, cão ou gato. É uma espécie de impressão digital bacteriana com a diferença de que esta vai-se alterando com a idade e com os nossos hábitos e ambiente.

O efeito é recíproco e, assim como os nossos comportamentos as afectam ao alterar o balanço do seu meio, também a quantidade e tipo de bactérias acabam por nos afectar na saúde como, por exemplo, maior ou menor propensão para estar doente ou mesmo para a obesidade.

Esta evolução cooperativa permitiu-nos mesmo dispensar algumas funções orgânicas que são executadas pelas bactérias, como é o caso da síntese de algumas vitaminas e produção de enzimas que aceleram a digestão de nutrientes. E pode ser muito mais profunda do que se supõe, como nos demonstram os estudos sobre a mitocôndria (ver caixa).

O sistema imunitário é outro dos benefícios desta "estreita amizade". As bactérias não só servem para estimular e "afinar" o nosso sistema imunitário que acabou por "perceber e distinguir" quais as boas bactérias e as más, mas também em que quantidades e sítios estas são ou não perigosas. Para além disso as bactérias "boas" acabam por ser a primeira linha de defesa, uma vez que qualquer outra que se tente infiltrar no organismo terá primeiro que competir por espaço e nutrientes com as que já lá estão.

Colonizados
No percurso da nossa vida vamos passando por diferentes níveis de interacção com o ambiente que se reflectem no nosso microbioma. As investigações revelaram que o feto é completamente desprovido de bactérias, mas o momento do nascimento é crucial para estabelecer o microbioma, naquilo a que é chamado a colonização bacteriana.

Recentemente percebeu-se que a diferença no tipo de parto (natural ou cesariana) resulta em bebés com maior ou menor propensão para doenças reparatórias e intestinais, uma vez que a passagem e contacto com o canal vaginal da mãe inicia, com efeitos benéficos, precisamente essa colonização nas vias respiratórias e no sistema digestivo do bebé. Ao contrário, bebés nascidos por cesariana eram colonizados inicialmente com bactérias da pele da mãe.

Hoje em dia em muitos hospitais, nos partos por cesariana, é praticado aquilo a que se chama o cultivo do microbioma, isto é, a recolha das bactérias da mãe que depois são colocadas no bebé.

Deste panorama geral, passamos aos actuais desafios que vão sendo explorados pelas investigações como, por exemplo, perceber a exacta variação de cada comunidade bacteriana conforme as alterações de hábitos, ou a total importância e função que desempenham em cada ambiente do corpo onde se desenvolvem. Essa é a origem de um grande projecto chamado Projecto do Microbioma Humano que reúne colaborações de universidades e centros de investigação de todo o mundo e que tem dado muitos resultados ao nível do conhecimento deste novo ser Humano.

Também todo um novo potencial se abriu ao nível industrial e comercial com novos tipos de medicamentos e alimentação probiótica e prebiótica que "cultivam" ou ajudam a desenvolver as "comunidades bacterianas".

Mais artigos

DestaquesArtigos

  • dsc92181550c253

    Luxury & Fashion

    Mar 1, 2017

    CRIPTOMÉRIA - MALEÁVEL, LEVE E AROMÁTICA

    Do primeiro-ministro das Bermudas ao presidente da IBM Portugal, foram algumas das personalidades que encomendaram uma mala de senhora no mínimo inovadora e invulgar, para oferecer à esposa e ou a amigos. Trata-se de uma mala feita...

  • Savory14

    Science & Nature

    Mar 2, 2018

    A DERRADEIRA ARMA

    As grandes pastagens podem ser uma resposta para acabar com as áreas de desertos e amenizar os efeitos do aquecimento global, defende o ambientalista e agricultor zimbabuano, Allan Savory que, em tempos, foi responsável pelo abate...

  • 0-1352400373-expo_spon_01

    Business & Industry

    Ago 1, 2017

    DEBATER O FUTURO DA ENERGIA

    É um dos maiores eventos do mundo e não acontece todos os anos. Essa é uma das razões porque são tão importantes. Mas há outra: os vastos debates que cada uma destas feiras mundiais (conhecidas como "Expos") trazem à luz e...


  • 2

    Science & Nature

    Jul 1, 2017

    O FUTURO INTELIGENTE

    A era das coisas "smart" ameaça transformar muitas coisas em "smart"-qualquer-coisa. E, um dos aspectos importantes destas transformações, é que o tamanho das "smart"-coisas já não é uma limitação. 

  • 42-160319-AFRIC-ESIA-070-credit-Deakin-University

    Science & Nature

    Ago 1, 2017

    OUÇA COM ATENÇÃO

    Técnicas revolucionárias estão a moldar o mundo em todas as áreas e todas as temáticas. Quando olhamos em volta, vemos todo o tipo de propostas e aparelhos para preencher necessidades que nem sabíamos que eram necessárias.

    ...

  • PrimarySchool5

    Culture & Art

    Jul 1, 2017

    ARQUITECTURA SUSTENTÁVEL

    Diz-se frequentemente que, depois de ir a África, nunca mais se é o mesmo. É o continente mais genuíno do mundo. É por isso que a sustentabilidade é tão importante.


  • Bulgari

    Luxury & Fashion

    Fev 1, 2015

    A History to be Told

    2014 marked the 130th year of Bulgari, a name emblematic of Italian excellence. Emboldened by 2,700 years of Roman history, Bulgari honors its rich past with modern designs.

  • Royal Caribbean International

    Lifestyle & Travel

    Mar 1, 2015

    New Residents at Sea

    The growing community of seagoers couldn't be happier. Until 2020 they will witness an increase in 76.818 berths onboard the twenty six new ships so far announced by major cruise lines and new players. Today we give you a taste of the...

  • Food & Beverage

    Abr 1, 2015

    Another Algarve

    Oyster and other shellfish have been abundant in the Portuguese rivers and shores but throughout the years, various diseases almost sentenced its extinction. Recently, aquaculture has restored their existence.