Food & Beverage

Dez 1, 2016

FESTA NO MUNDO CRISTÃO

Quaisquer que sejam as controvérsias políticas entre países e as diferenças entre estratos sociais, há vários milhares de anos, no início de cada Inverno, os povos do mundo cristão sincronizam-se na agitação pré-natalícia, unidos pela de alegria e pela antecipação de algo mágico, eliminando todas as divergências.

<

As ruas e as praças das cidades enchem-se de luzes e de pinheiros de Natal, e as portas de entrada das casas decoram-se com grinaldas festivas… As pessoas andam ocupadas com as compras, a tentarem escolher os presentes mais adequados para os que lhes são queridos e para família. As donas de casa pensam nos menus festivos.  Embora a globalização tenha reduzido as diferenças entre nações, os pratos tradicionais de Natal continuam a ser servidos em muitas famílias.

Os pratos festivos que costumam embelezar as refeições de Natal, quer na época dos fornos convencionais, quer com recipientes combinados e robots de cozinha, são uma espécie de luxo, difíceis de confeccionar por qualquer um. Não se trata apenas dos ingredientes usados na alimentação dos nossos antepassados, mas também da habilidade, imaginação e sofisticação dos cozinheiros da época.

Entre a variedade de pratos tradicionais de Natal da Rússia antiga, não podemos deixar de mencionar, por exemplo, um prato invulgar. O processo de cozedura inicia com a remoção dos grãos de azeitona, colocando no lugar destes, porções de pequenas de anchovas. Esta porção, por sua vez, serve para rechear uma cotovia de tamanho médio, que tem de ser colocada dentro de uma perdiz grande ou de um faisão. O processo de cozedura, no entanto, não termina aqui, as aves servem de recheio para um leitão, após o que esta "matrioshka" culinária, vai ao forno. Pode imaginar-se o tempo que leva confeccionar tal obra-prima culinária. É claro que, actualmente, cozinheiros em todo o mundo, raramente confeccionam este tipo de delícias para uma "mesa festiva", no entanto, os pratos tradicionais de Natal continuam a merecer atenção especial.

Alemanha

O prato tradicional de uma mesa de Natal alemã é ganso. É recheado e cozido com ameixas secas e maçãs, repolho vermelho e bolinhos. Hoje em dia, o ganso perdeu primazia para o tradicional prato de Natal dos europeus, o peru. É igualmente costume cozinhar peixe, carne de porco com repolho em conserva e tortas caseiras. Tradicionalmente, é hábito haver entre sete e nove pratos na mesa, que simbolizam o surto da vida: ovos, caviar, trigo, ervilhas, feijão, sementes de papoula, entre outros. As principais sobremesas da festa são: maçãs, nozes, frutas cristalizadas e passas, representando o bem-estar, a prosperidade e a saúde. E, naturalmente, não tem graça se não houver a pastelaria deliciosa do Natal: com strudels, bolos, biscoitos e doces caseiros.

Estados Unidos da América

Peru com molho de arando recheado com pão, queijo, ameixas secas, alho, feijão, cogumelos, maçãs ou repolho, é prato de Natal número um, nos Estados Unidos da América (EUA), especialmente nos estados do Norte. Nos estados do Sul, raramente se tem em conta esta tradição, em vez disso, cozinham vitela com especiarias e ervas. Para além disso, aqui, o tradicional na mesa de Natal é presunto, pratos de vegetais e saladas. A bebida principal de um Natal norte-americano é gemada. Um cocktail espesso de ovos batidos e creme com açúcar, canela, noz-moscada e álcool para quem desejar, conhaque, rum, brandy ou whisky. Serve-se em pequenos copos de vidro às visitas.

Rússia

Uma mesa russa sempre apresentou abundância, e a pastelaria não fica em último plano. Devem existir 12 pratos numa mesa festiva russa, um para cada mês do ano seguinte. Tradicionalmente, a maioria destes pratos são de carne - a exuberância de carne e aves de capoeira à mesa de Natal explica-se pelo facto de que, na altura em que acaba o "jejum de Natal", começa o abate de gado e a temporada de caça. Durante o Natal, uma mesa russa pode ter pratos como "kholodetz", peixe frio, ganso assado ou pato, e uma enorme quantidade de saladas, e claro, a "rainha da festa", a tradicional salada "Olivier" (conhecida como "salada russa").

Inglaterra

Na Idade Média, o prato principal de uma mesa de Natal inglesa era cabeça de javali, mas, desde o século XVII, os moradores de "Foggy Albion", Grã-Bretanha, estabeleceram como "rei da festa", peru com molho de groselha. Outra delícia de Natal com uma longa história é o pudim de ameixa, que há muito tempo costumava ser uma papa de aveia simples, cozida em caldo de carne, e que foi transformada numa sobremesa com passas, ameixas, amêndoas, mel, baunilha e outras iguarias. Eles costumam colocar moedas de prata e jóias no pudim de ameixa, para atrair riqueza. Antes de o servir, derramam brandy ou rum sobre o prato e ateiam fogo.

França

Os franceses, sendo verdadeiros gourmets, não conseguem imaginar a mesa de Natal sem o peru com castanhas ou com molho de vinho branco, nem sem ostras, foie gras, um generoso prato de queijo e uma garrafa de vinho caro. Além disso, os franceses são "bons de boca". Durante a época natalícia, há no país uma enorme quantidade de bolos de Natal, e o "Tronco de Natal" coberto de creme doce e cremoso.

Em Provença, têm as suas próprias tradições doceiras: é costume a mesa ter 13 sobremesas de frutas secas, nozes, nougat, entre outras iguarias, simbolizando Jesus Cristo e os apóstolos na "Última Ceia".

Noruega

Na véspera de Natal, nas mesas norueguesas há cordeiro ou costelas de porco, peixe, nabos triturados, chucrute e batatas cozidas. Graças à influência dos países europeus vizinhos, o peru e o presunto tornaram-se, igualmente, parte do menu festivo.

Um almoço de Natal à "la Norge" (norueguesa) é guisado de carne de porco com repolho em conserva, costelas de cordeiro salgadas ou cozidas no vapor com nabos e batatas raladas, salsichas e almôndegas. Em vez de carne de porco, pode haver um prato de peixe. O verdadeiro espírito do Natal é vodka condimentado de batata. Para sobremesa, as donas-de-casa norueguesas servem sete tipos de doces e de biscoitos, como exigem as tradições festivas.

Bulgária

A Bulgária ortodoxa celebra o Natal no dia 25 de Dezembro, tal como os católicos. No primeiro dia de festa, na véspera, só têm pratos de "Quaresma" (sem gordura) à mesa, obrigatoriamente em número ímpar: pimentão vermelho recheado com feijão ou arroz, repolho recheado com legumes, ameixas guisadas, pêras e maçãs, feijão ou lentilhas e "tikvenik "- um bolo com recheio de abóbora.

No segundo dia, o jantar de Natal é ainda mais rico: os búlgaros comem carnes recheadas ou assadas, cozidas, ou ainada assadas com legumes e torta "banitza" com queijo cottage, queijo brynza, vitela, ovos e maçãs. Eles cozinham a "banitza" com moedas, "bolotas" de corniza, e enrolam mensagens calorosas com os desejos para o novo ano que se aproxima. No que diz respeito às aves de capoeira, cozinham-nas com menos entusiasmo - pois consideram que a felicidade voaria para longe de casa em suas asas.

Tenha uma refeição de Natal agradável!

Mais artigos

DestaquesArtigos

  • PrimarySchool5

    Culture & Art

    Jul 1, 2017

    ARQUITECTURA SUSTENTÁVEL

    Diz-se frequentemente que, depois de ir a África, nunca mais se é o mesmo. É o continente mais genuíno do mundo. É por isso que a sustentabilidade é tão importante.

  • Chipre1

    Lifestyle & Travel

    Abr 30, 2018

    SONHAR COM O VERÃO

    E se, em 2018, viajasse pelos cinco cantos do mundo? É difícil eleger os locais mais bonitos, mas preparámos uma lista com cinco destinos ricos em história, cultura e paisagens únicas que não vai querer perder!

  • Li-HongBo-Klein-Sun-AM-41

    Culture & Art

    Abr 1, 2017

    LI HONGBO - BUSTOS FLEXÍVEIS

    Maleável como um dançarino de breakdance é assim que surge o busto de Michelangelo no trabalho intitulado "Tools of study", do artista chinês Li Hongbo, feito apenas com papel e cola. Tratam-se de esculturas de papel, mas...


  • 1

    Lifestyle & Travel

    Out 29, 2018

    AUBERGE CAFÉ DU SUD

    "Os tempos modernos tornaram populares o turismo de aventura em locais exóticos, mas no Sudeste de Marrocos há um pequeno oásis entre as dunas que fará as delícias até mesmo do turista mais ocioso e alheio a aventuras."

    ...

  • product_playfulbase_sl

    Technology

    Mai 1, 2017

    FAZER... O QUE QUISER!

    Portanto, já vimos de tudo! Tudo o que os olhos podem ver e o cérebro consegue arquivar, enquanto conhecimento... Mas vimos mesmo? É mesmo possível pensar que alguma coisa no mundo não possa evoluir?

  • 1

    Science & Nature

    Out 3, 2018

    SPROUT PENCIL

    O que acontece com um lápis de madeira depois de ser usado? Normalmente, é deitado ao lixo. Mas, e se fosse possível aumentar o seu tempo de vida, mesmo após já não restar nada que permita ser utilizado?


  • 1. Fashion-Perfecto-Story Of An Icon

    Luxury & Fashion

    Fev 1, 2018

    HISTÓRIA DE UM ÍCONE

    Foi criado para o emergente grupo social de motociclistas, em 1928, e surgiu suportada pela força das grandes marcas de motos. Harley, Norton, Triumph, Indian, e até as japonesas Honda, Yamaha e Suzuki se "colaram" a este casaco...

  • 01 Glass

    Business & Industry

    Set 1, 2016

    PARA ALÉM DO VIDRO

    Actualmente, existe mais na indústria do vidro do que os olhos conseguem ver. Altamente versátil, o vidro pode ser utilizado em inúmeras necessidades diárias, combinando estética, limpeza fácil, conservação de energia ou soluções...

  • cayo-blanco-2-1377906

    Lifestyle & Travel

    Ago 1, 2015

    The pearl of the Antilles

    The sun and the sea, the wild and natural, the old and the new. All of these things converge in such a pretty dance of swirling warmth, while the history brings us the nostalgic views of past times. Cuba, is a treasure, always waiting...