Business & Industry

Dez 1, 2016

PINGOS DE CHUVA GERAM ENERGIA

A energia solar é uma das soluções e apostas globais para a produção de eletricidade com baixo impacto ambiental. No entanto, este método depara-se ainda com alguns entraves, como a baixa produção em dias nublados ou chuvosos. Um cenário que está prestes a mudar, graças à investigação de um grupo de cientistas chineses que tem vindo a desenvolver uma técnica capaz de produzir energia eléctrica a partir da chuva.

<

Como se sabe, os painéis solares fotovoltaicos permitem a produção de energia eléctrica através de energia solar, viabilizando assim que, por exemplo, uma habitação seja autónoma e independente das redes de energia eléctrica tradicionais. A grande desvantagem prendia-se, até aqui, com a dependência do estado do tempo, ou seja, da existência de sol, dado que nos dias de chuva e vento, não é ainda possível obter um bom rendimento do painel fotovoltaico, tornando-se necessário recorrer a sistemas de armazenamento de energia.

Uma realidade que vai mudar muito em breve pelas mãos de uma equipa de cientistas de Quindao, na China, liderada por Qunweu Tang, Xiaopeng Wang, Peishi Yang e Benlin He, que desenvolveu uma placa fotovoltaica com capacidade para produzir energia, não só a partir dos raios solares, mas também a partir das gotas de chuva, sendo eficiente independente das condições climáticas. O sistema funciona graças a uma camada de grafeno incorporada à superfície das placas. O material é usado para revestir as células solares, mas também é um excelente condutor de eletricidade. Segundo os cientistas, «tudo o que é preciso para materializar esta ideia é uma camada de grafeno com um átomo de espessura, de modo a que uma grande quantidade de eletrões possa mover-se ao longo da superfície». Contrariamente aos já existentes no mercado, estes painéis solares têm só uma folha de grafeno. Na prática, quando a água cai na superfície (placas), o grafeno liga os electrões com os iões positivos, um fenómeno denominado pela comunidade científica de "interação ácido-base de Lewis".

Considerando que a água da chuva não é pura, isto é, contém elementos como o amónio, cálcio, e sódio, esta transforma-se em iões, tornando o grafeno e a água uma combinação excelente para a produção de energia. Por seu turno, a água adere ao grafeno, formando uma camada dupla com os electrões de grafeno. É o facto de a diferença entre as camadas ser tão forte que torna possível a produção energética. Cientificamente, quando a água cai na superfície, cria aquilo a que se chama "pseudocondensador" (pontos de carga em desiquilíbrio em que os electrões são enviados de um lado para o outro). «A carga em desiquilíbrio é apenas uma diferença potencial, o que significa que os investigadores podem utilizar o processo para capturar energia», explicam os cientistas envolvidos no estudo.

Estas células solares podem ser estimuladas quer através da luz solar, quando está bom tempo, quer por pingos de chuva, nos dias em que está mau tempo, atingindo uma eficiência de conversão de energia ideal de 6,5 por cento. Um valor que é, contudo, muito reduzido quando comparado a outras tecnologias de painéis solares que rondam normalmente os 20 por cento de eficiência energética.

Ao longo dos últimos anos, empresas e engenheiros estiveram focados em melhorar a eficiência dos painéis solares e as respectivas capacidades de armazenamento, mas nunca se dedicaram a encontrar uma solução para produzir energia em situações climáticas adversas. Assim, e caso a ideia que está na base deste estudo se concretize, esta tecnologia vai revolucionar o mercado de painéis solares ao fazer com que seja possível produzir energia independentemente do estado do tempo.

Uma nova esperança para países subdesenvolvidos e sem sol

Boas notícias para uma indústria que pode ver alargado o seu mercado, pois esta infra-estrutura vai permitir que as habitações e outros edifícios situados em países onde o sol é uma raridade, possam ter acesso a um método de produção energética mais ecológico, à semelhança dos países onde o sol abunda. Para além disso, será possível melhorar o rendimento dos painéis solares, reduzindo a necessidade de usar sistemas de armazenamento de energia.

A título de curiosidade, é em Pampanga, nas Filipinas que encontramos o maior telhado do mundo coberto com painéis solares, a partir do qual são gerados 2,9 megawatts de energia. Em contrapartida, existem 1,3 milhões de pessoas no mundo, sem acesso a electricidade, e para quem objectos comuns como um candeeiro, frigorífico ou televisão são bens escassos. Myanmar, Uganda e Índia são alguns dos países onde a luz eléctrica escasseia, e onde a ajuda de painéis solares tem iluminado a vida de muitas pessoas e famílias.

Portugal, por exemplo, é um país que beneficia de sol, portanto, a preocupação com esta nova tecnologia é menor, ainda assim, o actual sistema apresenta, para além da vantagem ambiental, uma poupança significativa, na ordem dos 75 por cento das despesas mensais em aquecimento de águas sanitárias, um número que pode aumentar durante no Verão, ou até mesmo o ano inteiro através da implementação desta nova técnica.

Mais artigos

DestaquesArtigos

  • epo15_Jonkers-0322_9F0C9396E8DC4F75A713C3D05913F5AB

    Science & Nature

    Jun 1, 2017

    Um salto tecnológico

    Edifícios e estruturas que podem, por magia, regenerar por completo as rachas causadas pela pressão, mudanças de temperatura ou humidade? O que era um cenário de ficção científica apenas há alguns anos é já uma realidade...

  • iReviews-gravity-blanket_4

    Home & Design

    Jun 1, 2017

    MAIS PESO, MENOS STRESS

    E se o peso pudesse reduzir os seus níveis de stress e ansiedade? Não, não é nenhuma espécie de cultura japonesa antiga. Antes pelo contrário. Já é uma técnica terapêutica utilizada em hospitais para o tratamento de distúrbio...

  • 7ca7cf5fff31dbb91763cd309e05c8a6

    Business & Industry

    Mai 1, 2017

    ROLHAS QUE FAZEM BONS VINHOS

    Um bom vinho cai bem em qualquer ocasião. Porém, os cuidados necessários para que o gosto seja perfeito, como a escolha de uma boa rolha de cortiça, são detalhes tidos em conta apenas pelos consumidores mais exigentes. Em Itália...


  • 295bda17-c5e4-458f-995f-62c4ac1da40e

    Food & Beverage

    Jul 1, 2017

    Comer inteligentemente

    O foodpairing é um método científico moderno que tem servido para saber quais os sabores que combinam melhor uns com os outros. Este método tem por base o princípio de que os alimentos combinam melhor quando têm determinadas...

  • 4wr3BQJ

    Home & Design

    Abr 1, 2017

    YOSEGI-ZAIKU - A ARTE YOSEGI

    Descobrimos a arte Yosegi, linda e curiosa, esta técnica japonesa de "parquet" consiste em dispor a madeira no chão, formando padrões. Para o conseguir, colam-se pedaços de madeira de diferentes cores num bloco compacto, que é depois...

  • 4

    Technology

    Out 31, 2018

    ECRÃS FLEXÍVEIS ROYOLE

    "Muitas vezes é o caso de avanços tecnológicos, que são de alguma forma interessantes, mas depois passam muito tempo na fase de protótipo. Os detalhes costumam ser complicados, mas a Royole mostrou algumas telas flexíveis...


  • 1.-Design-Kvadrat-Speaking-Of-Quality-And-Design

    Home & Design

    Fev 1, 2018

    FALANDO DE QUALIDADE E DESIGN

    A próxima afirmação pode parecer ter sido copiado de um anúncio da televisão britânica, e é bastante inspirado nesse caso particular de publicidade (também é uma grande verdade, já agora): "quando pensa em têxteis de alta...

  • Culture & Art

    Abr 1, 2015

    Multipurpose

    The acronym VDNKh stands for Russian vystavka dostizheniy narodnogo khozyaystva (Exhibition of Achievements of the People's Economy). It is an open joint stock company and the largest Exhibition centre in Moscow.

  • 6

    Helthcare & Wellness

    Dez 1, 2017

    VIVER EM PLENO

    O programa "Slim and Svelte Diet" é um método exclusivo de emagrecimento de origem francesa, que se encontra em expansão em todo o mundo.