Science & Nature

Jan 1, 2018

MILHÕES DE MOLHO

A aquacultura afirma-se, diariamente, como uma importante alternativa às formas tradicionais de abastecimento de pescado, produzindo cerca de metade de todo o pescado consumido no mundo, razão porque é hoje considerado um sector estratégico.

<

Por ALFREDO MIRANDA

Hoje em dia, cada vez mais pessoas dependem da pesca e da aquacultura para a sua alimentação e rendimento. Contudo, as práticas prejudiciais e a má gestão ameaçam a sustentabilidade do sector, adverte a FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura).

Ainda segundo a FAO, não podemos esquecer que a aquacultura já representa mais de metade de todo o pescado para consumo humano que, em 2014, atingiu um novo máximo anual de 20 quilos per capita.

Pela primeira vez, a produção aquícola mundial (incluindo plantas aquáticas) excedeu a obtida pelas capturas, atingindo 101,1 milhões de toneladas, o que representa 52% de toda a produção de peixe (195,7 milhões de toneladas). A produção mundial atingiu 167,2 milhões de toneladas, das quais 93,4 milhões vieram da captura e 73,8 milhões da aquacultura.

Para a maioria dos investigadores, a aquacultura oferece um enorme potencial para responder à procura por alimentos associada ao crescimento da população global, contribuindo para melhorar a dieta de muitas pessoas.

Todavia, os investigadores não deixam de advertir que para continuar a crescer de maneira sustentável, o sector deve tornar-se menos dependente do peixe selvagem para as rações e introduzir uma maior diversidade de espécies e práticas nas explorações de aquacultura.

Por exemplo, os peixes pequenos podem ser uma excelente fonte de minerais essenciais quando se consomem por inteiro. No entanto, devido às preferências dos consumidores, bem como a outros factores, tem sido observada uma tendência para a produção de espécies maiores, cujas espinhas e a cabeça são, muitas vezes, descartadas.

COMÉRCIO INTERNACIONAL

Para investidores e cientistas, o crescimento da aquacultura é considerado um factor-chave para impulsionar os níveis de consumo global de peixe por pessoa. Na década de 60, o valor era em média de 9,9 kg/habitante/ano. A média passou para cerca de 14,4 kg na década 90 e em 2014 esse valor chegou a 19,7 kg/habitante/ano.

O comércio internacional tem desempenhado um papel importante para que haja um número cada vez maior de escolhas para os consumidores de peixe. Entre os países lusófonos, espera-se que o Brasil lidere o aumento no consumo de peixe por pessoa na próxima década, como parte da América Latina. As outras regiões são a Ásia, a Oceânia e Caribe.

A América Latina e o Caribe vão apresentar uma expansão importante na produção aquícola que pode chegar as 3,7 milhões de toneladas em 2025, um crescimento de 39,9% em relação à 2013/15, período em que foram produzidas em média 2,7 milhões de toneladas anuais.

Já, em âmbito global, a produção aquícola deve crescer até alcançar 195,9 milhões de toneladas em 2025, um aumento de 17% em comparação à produção de 2013/15, de 166,8 milhões.

Não se pode omitir o facto de, em 2014, ter sido registado, pela primeira vez, um aumento na produção em cativeiro em relação às capturas por pesca. O produto proveniente da pesca sempre dominou a mesa do consumidor, mas hoje, 50% do peixe consumido mundialmente é proveniente da aquicultura. Isso significa que, no ano 2025, o mundo vai produzir 29 milhões de toneladas a mais de peixe que em 2013/15 e, a maioria desse aumento, vai acontecer nos países em desenvolvimento por meio da aquicultura.

A REVOLUÇÃO AZUL

A nova "revolução azul", que tem disponibilizado camarão, salmão e tilápia baratos e embalados em vácuo aos congeladores dos supermercados, trouxe consigo muitos dos problemas gerados pela agricultura em terra: destruição do habitat, poluição aquática e problemas relacionados com a segurança alimentar.

Na década de 1980, vastas extensões de orlas costeiras de mangue (vegetação típica de terrenos alagadiços) foram arrasadas para construir unidades de aquicultura. A poluição provocada pela aquacultura (uma mistura pútrida de azoto, fósforo e peixes mortos) é agora um perigo generalizado na Ásia, onde se localizam 90% dos peixes de aquicultura. Para manterem os peixes vivos em jaulas densamente povoadas, alguns aquicultores asiáticos utilizam antibióticos e pesticidas de uso proibido nos Estados Unidos, na Europa e no Japão.

As unidades de aquacultura de outras regiões do globo também não estão isentas de problemas. A moderna indústria do salmão, que ao longo das últimas três décadas instalou jaulas densamente povoadas e cheias de salmão em fiordes prístinos da Noruega à Patagónia, tem sido atormentada por parasitas, poluição e doenças. As unidades de aquacultura de salmão da Escócia perderam quase 10% dos seus efectivos em 2012, devido a um surto infeccioso; no Chile, calcula-se que a anemia infecciosa tenha provocado prejuízos de 1,4 mil milhões de euros na aquacultura do salmão desde 2007.

O problema não está na vetusta arte da aquacultura em si, mas na sua intensificação. Os piscicultores chineses começaram a criar carpas em arrozais há pelo menos 2.500 anos. No entanto, a produção actual de aquacultura representa 42 milhões de toneladas por ano e as jaulas de peixes orlam as margens dos rios, lagos e mares. Os piscicultores introduzem nos seus viveiros variedades de carpa e tilápia de crescimento rápido, alimentando-as com farinha de peixe concentrada para maximizar o seu crescimento.

Mas, como defendem os investigadores, existe uma solução simples para estes problemas: criar peixes em tanques instalados em terra e não em jaulas num lago ou no mar, porque se não deixarmos os oceanos em paz e sossego, "a mãe natureza vai fazer-nos pagar com juros altos". 

Mais artigos

DestaquesArtigos

  • Gourmet01

    Lifestyle & Travel

    Jun 1, 2017

    Cruzeiros Gourmet

    A família Bhende decidiu inovar e, no passado mês de Abril, estreou o primeiro navio, hotel e restaurante de Bombaim, apostando em cruzeiros gourmet de luxo a bordo do AB Celestial. 

  • #Formato_Certo_para_Site_YVP_Imagens

    Home & Design

    Out 17, 2018

    LEGO PLANTS FROM PLANTS

    "No passado mês de Março, a Lego anunciou que irá produzir as peças da marca, usando plástico à base de plantas num movimento para usar materiais sustentáveis, ​​na maioria dos produtos e embalagens até 2030."

    ...

  • NovaBateria01

    Technology

    Mai 1, 2017

    Chegaram as baterias do futuro

    Com 94 anos de idade seria de esperar que John Goodenough abrandasse o ritmo, contudo o inventor das baterias de lítio que têm permitido aumentar a longevidade da utilização dos telemóveis e o desenvolvimento de veículos eléctricos...


  • RedClay003

    Culture & Art

    Mar 1, 2017

    RED CLAY - REINVENTAR O BARRO

    Em 2010 nascia a marca que, pouco a pouco, se tem tornado cada vez mais procurada por alguns dos melhores percussionistas a nível mundial e que tem a particularidade de ser produzida num produto considerado ultrapassado pelos tempos...

  • as-lentes-de-um-genio.html

    Culture & Art

    Abr 1, 2017

    O FOTÓGRAFO SEM MEDO

    Ousado, chocante, vibrante, sem medo, sem a preocupação de ser aceite ou rejeitado, mas sempre com o desejo de nos deixar sem palavras perante a sua arte. Assim é este americano, nascido em 11 de Março de 1963, em Hartford, Connecticut,...

  • Brikawood-interlocking-wooden-bricks-help-build-house-without-nails-or-screws_9

    Business & Industry

    Ago 31, 2018

    Brikawood

    Existe um fascínio crescente em relação à construção 3D de casas. De facto, é um negócio florescente e, encarando os desafios habitacionais por todo o mundo, actualmente, pode bem vir a provar-se como uma solução de baixo...


  • Dressed in Ambition

    Luxury & Fashion

    Fev 29, 2016

    De Ambição Vestida

    Ser mulher no século XXI não é o mesmo que era antes. Como se veste uma mulher bem-sucedida nos dias de hoje? Já não temos as leis que lhes medem as saias ou os ideais que as impediam de terem emprego. Hoje, uma mulher de sucesso...

  • 1. Culture-National Gallery-Accessible Art

    Culture & Art

    Fev 1, 2018

    ARTE ACESSÍVEL

    Não há nada mais elegante e atractivo que quadros originais de pintura a óleo sobre tela, quer seja nos corredores ou na sala lá de casa, ou para tornar mais aprazíveis os escritórios de qualquer empresa, tanto para os empregados...

  • 1

    Business & Industry

    Jun 1, 2015

    Where the best office paper is made

    The Portucel Soporcel group is focused on its own brands. This means its sales strategy is to offer a portfolio of brands with distinctive value propositions, reaching out to different consumer segments. 

    Pride of place goes...