Culture & Art

Jun 1, 2017

FAÇA CHUVA OU FAÇA SOL

São guardas chuvas, mas de papel. Parecem resultar de uma técnica avançada de origami, mas na verdade é uma técnica bem diferente, também proveniente do Japão. 

<

Cada wagasa é feito a partir de materiais renováveis, entre os quais se destacam o bamboo, madeira de ego, corda, cola e washi, papel tradicional japonês. Este papel é a grande evidência na distinção para com os chapéus de chuva ocidentais. Diferenciam-se também pela produção manual – que pode demorar vários meses – ou pela quantidade de varetas que suportam a cobertura; enquanto o chapéu ocidental tem cerca de oito, este chapéu tradicional japonês pode ter entre 30 a 40 varetas. 

Desengane-se se pensa que o wagasa é inútil em dias de chuva, além do papel próprio ao efeito, é ainda fortificado e transformado à prova de água com persimmon, óleo de linhaça e óleo de madeira.     

Embora se tenha tornado célebre na cultura japonesa, o wagasa é proveniente da China, chegando ao Japão pelo uso em cerimónias budistas, uma tradição que remonta ao século VI. À época usado apenas entre membros privilegiados da sociedade, acreditava-se que oferecia proteção, não só do sol e da chuva, como ainda de maus espíritos.    

Existem vários tipos das vulgarmente chamadas sombrinhas japonesas: bangasa, preparada para a chuva; janome, que se distingue pelo padrão a partir do olho de cobra; nodategasa, com maiores dimensões, semelhantes a um guarda sol; e maigasa, indicado para as danças japonesas, mas não para a chuva.  

Apesar do importante papel ocupado na cultura do Japão, a produção do wagasa tornou-se cada vez menor, tendo o seu lugar sido tomado pelo chapéu ocidental, mais resistente e barato e, por isso, mais conveniente.

Em Quioto, capital do Japão durante largos anos, existem vários locais onde é possível adquirir um wagasa, mas apenas um estabelecimento continua fiel ao kyo-wagasa, um modelo exclusivo desta cidade. A loja Hiyoshiya apresenta os modelos icónicos dos wagasa originais e, em simultâneo, responde à concorrência, aliando a beleza do papel washi à decoração e desenvolveu um sem número de candeeiros que remetem em boa medida ao chapéu tradicional.

Os próprios wagasa têm vindo a tomar um papel proeminentemente decorativo, o que levou já artistas a dedicarem-se à sua criação para fins decorativos, que passa pela elaboração de padrões irreverentes na cobertura do chapéu ou mesmo de suportes que, uma vez mais, aliam a iluminação à sombrinha e, através da cor e textura do papel, tornam a luz única.    

Mais artigos

DestaquesArtigos

  • cientista2

    Research & Education

    Set 21, 2018

    LUTA CONTRA O CANCRO

    Cientistas portugueses na Vanguarda

    São portugueses, estudam o cancro e tentam encontrar a cura para este 'bicho'. Trazem novas teorias e formas de olhar a ciência, contribuindo de forma significativa para o mundo. 


    ...

  • tv2016-10-03-15-33-28hifile1400-1

    Technology

    Mar 1, 2017

    TELEVISÕES TRANSPARENTES - ESCONDIDAS À VISTA

    Assim mesmo! O novo conceito de ter uma televisão mesmo no meio da sala sem que seja vista chegou e até é muito superior ao que seria de esperar. Mais transparência, melhor definição de imagem, muito mais qualidade.

  • 1

    Lifestyle & Travel

    Out 29, 2018

    AUBERGE CAFÉ DU SUD

    "Os tempos modernos tornaram populares o turismo de aventura em locais exóticos, mas no Sudeste de Marrocos há um pequeno oásis entre as dunas que fará as delícias até mesmo do turista mais ocioso e alheio a aventuras."

    ...


  • Reading-Between-the-Lines-church-by-Gijs-Van-Vaerenbergh-2

    Culture & Art

    Jul 1, 2017

    ESCULPIR NO AR

    Uma igreja pode ser o cerne da vida de cada um, ou simplesmente uma estrutura física que se combina com o ambiente envolvente. É isto que está no fundo de "Reading between the lines", uma instalação artística que emerge da paisagem,...

  • scribit1

    Home & Design

    Set 28, 2018

    SCRIBIT

    O seu espaço ao seu gosto

    Há um par de anos atrás, o estúdio de arquitetura e design Carlo Ratti Associati (CRA) apresentou um sistema no qual um robô pulverizador de pintura era usado para desenhar imagens em superfícies...

  • Chipre1

    Lifestyle & Travel

    Abr 30, 2018

    SONHAR COM O VERÃO

    E se, em 2018, viajasse pelos cinco cantos do mundo? É difícil eleger os locais mais bonitos, mas preparámos uma lista com cinco destinos ricos em história, cultura e paisagens únicas que não vai querer perder!


  • Home-Ines-Di-Santo

    Luxury & Fashion

    Out 1, 2015

    Um caso de Família

    Ines DiSanto abriu loja em 1984, em Toronto, no Canadá, quando a sua filha Veronica tinha apenas nove anos de idade. Veronica entrou para a empresa 14 anos depois. Os seus vestidos apareceram na passadeira vermelha, incluindo nos Globos...

  • 1

    Culture & Art

    Jul 1, 2015

    Amusing families for 65 years

    Bergantino is a small town in north-east Italy, with a long tradition of carousel making since the 1940's. Known as "The Village of the Ride", many of its inhabitants have devoted their careers to the production of expertly crafted amusement...

  • 1

    Business & Industry

    Jun 1, 2015

    The finest optics

    The history of BelOMA starts back in in 1957 with the establishment of Minsk Mechanical Works. In view of expansion of production volume and nomenclature of the products being manufactured, in 1971 the Belarusian Optical and Mechanical...