Technology

Fev 29, 2016

A Revolução da Impressão 3D

A impressão 3D pode parecer uma coisa estranha. De facto, é semelhante a clicar no botão de "imprimir" no ecrã do computador e enviar um ficheiro digital como um texto para a impressora de jacto de tinta. A diferença está no tipo de "tinta" que é usada. No caso das impressoras 3D, é um material depositado em finas camadas sucessivas até formarem um objecto sólido.

As camadas são definidas pelo software que cria uma série de fatias digitais através de um programa de desenho assistido por computador. A descrição de cada uma destas fatias é então enviada para a impressora 3D para que construa as respectivas camadas. A aplicação é feita de várias formas. Pode-se espalhar pó num tabuleiro que solidificará no padrão escolhido através da aplicação de aglomerador líquido, ou através de sinterização com um laser ou feixe de electrões. Algumas máquinas depositam filamentos de plástico derretido.

Engenheiros e designers usam impressoras 3D há mais de uma década, principalmente para criarem protótipos de forma rápida e barata antes de iniciarem o dispendioso processo de criação de ferramentas para produção de algo. À medida que as impressoras 3D se tornam mais capazes e passíveis de trabalhar com uma maior variedade de materiais, incluindo plásticos e metais de alta qualidade, são cada vez mais usadas para criar os produtos finais.

Muitas pessoas estão a usar a tecnologia de impressão tridimensional para criarem coisas notáveis. Nestas incluem-se implantes médicos, joalheria, botas de futebol customizadas, abajurs, peças para carros de competição, baterias e telefones móveis personalizados.

Existem várias formas de imprimir em 3D e todas são aditivas, diferenciando-se principalmente na forma como as camadas são construídas para criar o objecto final. Usar impressoras 3D como ferramentas de produção tornou-se conhecido na indústria como fabrico "aditivo" (em oposição ao anterior - "subrativo" que consistia em corte, perfuração e contusão). O processo aditivo requer menos matéria-prima e, porque o software controla a impressora, cada item pode ser feito de forma diferente sem ser necessário refazer as ferramentas. As impressoras podem ainda produzir objectos prontos a usar que tenham menos requisitos de montagem ou que não sejam tão fáceis de produzir com métodos convencionais. A impressão pode ser feita em nylon, aço e até titânio e potenciar o fabrico porque reduz custos e riscos. As peças podem ser feitas em agentes e reparadores, as unidades de montagem podem eliminar a necessidade de gestão de fornecedores ao fazerem os componentes à medida que necessitam deles.

Talvez o aspecto mais emocionante do fabrico aditivo se prenda com a redução de custos para entrar no negócio da fabricação. Um empreendedor pode criar uma ou duas amostras com uma impressora 3D para saber se a ideia resulta, fazer mais algumas para testar a venda e efectuar alterações que os compradores sugiram. O sucesso do fabrico vai depender menos da escala e mais da qualidade das ideias.

Será a impressão 3D uma prática comum? A resposta simples é: AINDA não. Os inícios da revolução aparecem num inquérito feito em 2014 pela auditora PwC, a mais de 100 empresas manufactoras. À data deste inquérito, 11% das empresas já tinham escolhido a produção em quantidade para peças ou produtos impressos em 3D. De acordo com os analistas da consultora Gartner, uma teconologia é prática comum quando atinge 20% de adopção pela indústria.

Algumas indústrias já adoptaram a impressão 3D. Os fabricantes aeronáuticos substituíram nuito do metal nas estruturas das aeronaves por compósitos de fibra de carbono de baixo peso. A indústria dos aparelhos auditivos nos EUA converteu-se ao fabrico aditivo em menos de 500 dias.

À medida que aumentam as aplicações da tecnologia e os preços diminuem, a primeira grande conclusão é que mais produtos serão fabricados na altura da compra, ou muito próxima desta. Outra conclusão é que os produtos serão cada vez mais personalizados, porque alterá-los não exigirá a criação de novas ferramentas, basta fazer mudanças no software. A criatividade será primordial para ir ao encontro das necessidades dos clientes, tal como o foi o controlo de qualidade na era da produção em série.

Fabricar componentes customizados em baixos números, de alto valor-acrescentado é muito bom, mas poderá o fabrico aditivo competir com técnicas de produção em massa que têm sido usadas durante mais de um século? As técnicas estabelecidas não serão abandonadas, mas já é facto assente que as fábricas do futuro terão impressoras 3D a funcionar ao lado das máquinas tradicionais, tomando para si grande parte do trabalho destas.

Mais artigos

DestaquesArtigos

  • cowrok

    Business & Industry

    Set 19, 2018

    Cowork

    Escritório onde e quando quiser


    Ao longo dos últimos 20 anos, o paradigma do trabalho tem vindo a sofrer imensas e radicais alterações, fruto de vários fenómenos estruturais, económicos, tecnológicos...

  • Bradley001

    Business & Industry

    Jul 1, 2017

    FUME-O VOCÊ MESMO

    É um facto incontornável que em pleno século XXI os chefs de gastronomia se tornaram nas novas estrelas rock, não há canal que não tenha os seus próprios programas de culinária e/ou promova concursos de culinário aos quais...

  • transferir (1)

    Science & Nature

    Mai 1, 2017

    Outra face da aquicultura

    Em 2016 o comércio de algas marinhas obteve um rendimento que ultrapassa, a título de exemplo, toda a produção mundial de limas e limões. A captura de algas duplicou na última década e actualmente já existem autênticas quintas...


  • GallerySlide1

    Technology

    Jul 1, 2017

    NÃO É GRANDE, É ENORME

    Imagine um avião que parecem dois aviões colados entre si pela asa. Depois adicione seis reactores Pratt & Whitney, tal como os utilizados no Boeing 747. O resultado são 580 toneladas de peso a levantar voo.

  • Sony005

    Technology

    Abr 1, 2017

    LENTES DE CONTACTO SONY - GRAVAR NUM PISCAR DE OLHOS

    Ainda se recorda de quando os óculos que gravam e transmitem imagens ao vivo eram uma novidade? Já pode esquecer essa tecnologia obsoleta. A Sony patenteou uma lente de contacto capaz de gravar vídeos que pode ser controlada por...

  • portable-fundus-camera-1

    Helthcare & Wellness

    Mai 1, 2017

    PARA ALÉM DO OLHO

    Há alguns anos, uma ida regular ao dentista, era ainda um pesadelo. Os processos "quase" medievais, costumavam levar-nos o sono durante dias. E, o mesmo costumava acontecer quando precisávamos de fazer exames oftálmicos rigorosos....


  • CRW_6401 - Copy-min

    Science & Nature

    Mai 1, 2016

    A PARALISIA CEREBRAL NÃO É UMA DOENÇA RARA NEM EM EXTINÇÃO

    Nos últimos anos, muito se tem falado nas doenças raras, ou seja aquelas que têm uma prevalência inferior a um em 2000 cidadãos. Esta chamada de atenção à sociedade sobre a vulnerabilidade e as especificidades duma minoria de...

  • 01

    Home & Design

    Fev 1, 2017

    AS CASAS VIVAS

    Já pensou no seguinte paradoxo: uma casa, mesmo uma que seja recente, quando não é habitada, degrada-se muito rapidamente, enquanto uma casa humilde e antiga, mas explorada pelas pessoas, mantém-se boa ao longo de décadas? Não...

  • 1

    Business & Industry

    Out 31, 2015

    Elegância no Papel

    A Galgo Fine Papers é o fornecedor de papéis de luxo pioneiro por toda a Índia, especializando-se em providenciar os melhores papéis de todo o mundo para cumprir com os mais diversos e criativos requerimentos.