Culture & Art

Jul 1, 2016

UM SEGREDO BEM GUARDADO

Desde a Antiguidade que o Homem se encanta com os efeitos que os elementos têm uns nos outros. Vestígios de artefactos de ferro do IV milénio a.C. foram encontrados no Egipto, mostrando que, desde muito cedo, o Homem conseguiu extrair ferro e trabalhá-lo.

Embora não se saiba quando se deu o início da fundição, o ferro forjado existe desde o I milénio a.C., e nos finais do II milénio d.C., o ferro já estava a ser extraído de minérios, e levado da China para África, a Sul do Saara.

Os ferreiros eram figuras respeitadas em diversas culturas, eram muito considerados e admirados. A sua arte era considerada quase magia. Uma vez que mantinham o ofício secreto, como acontecia com outros ofícios, por exemplo a construção, ninguém sabia bem como conseguiam fazer o que faziam, até as mais simples ferramentas pareciam nascer magicamente da pedra e do fogo.

Nessa época, quando apareciam peças intricadas e belas, com padrões e formas que diferiam das mais comuns, as pessoas presumiam que elas vinham dos deuses. Era o que pensavam do aço damasco, também chamado aço damasquino, um dos mais famosos e mais fortes aços da era pré-industrial, tipicamente usado em armas. A técnica para o seu fabrico foi desenvolvida antes do nascimento de Cristo, e as armas de aço damasco tornaram-se populares entre 200-400 d.C. Na Europa, tornou-se conhecido a partir do século XI, quando os Cruzados chegaram ao Médio Oriente. É um material misterioso e excepcional, cuja força deriva do processo de fabrico.

O aço damasco era caracterizado por uma dureza extraordinária, adquirida através do processo de fundição, e pelo padrão listado e intricado, facilmente reconhecível, também conhecido nalguns como "padrão damasquino". O padrão deriva das variações dos níveis de carbono do material original, bem como as impurezas que nele existe.

Fabricar aço damasco envolvia um processo de carburização, onde o ferro era aquecido ao rubro, e posto em contacto com vários materiais carbonosos em recipientes fechados, resultando num conteúdo de carbono irregular, e em diversas impurezas. Isto fazia com que algumas partes fossem mais duras, logo mais quebradiças, do que outras. A liga de aço final chegava a conter 1,8% de carbono, sendo depois martelada em forma de barra. Depois da primeira barra estar formada, era repetidamente dobrada e caldeada, interligando as diferentes camadas e "misturando" as partes duras com as partes moles.

Os padrões que ficavam depois da têmpera e do acabamento serviam de guia de qualidade do aço, bem como da perícia do ferreiro, já que esses padrões significavam que o material estava mais ou menos homogéneo. As imagens são geradas durante a fase de bater e fundir as barras, e atravessam a peça toda, não são superficiais: o aço oxidado é mais claro, enquanto o outro é mais escuro. Os dois tipos de aço reagem de forma diferente no processo de oxidação ácida, o que significa que o padrão só é revelado na superfície depois deste processo. Quanto mais intricado o padrão, mais homogénea a mistura, portanto, menos susceptível a partir-se, dobrar ou de a lâmina ficar cega. 

Este aço ganhou uma reputação formidável. A fama espalhou-se ao longo de séculos, mas sempre em segredo, pois os ferreiros nunca revelavam o verdadeiro mistério. De facto, até hoje, os métodos exactos não são conhecidos, eram secretos no seu tempo, e perdidos ao longo de gerações, embora seja possível criar materiais idênticos por processos semelhantes. Há até quem tente reproduzir o aço damasco, atingindo resultados muito próximos do original, e quem o imite pelas suas propriedades estéticas, mais do que pelas físicas. No entanto, para estas peças serem "autênticas", não só tinham de apresentar o padrão damasquino característico na superfície, mas também a composição química original e a microestrutura que confere o padrão ao metal.

O aço damasquino caiu no esquecimento após a revolução industrial, porque o fabrico e obtenção eram, nessa altura, mais fáceis e melhores, e os ferreiros que sabiam os segredos do ofício não tinham necessidade de passar os conhecimentos. Hoje, o aço damasco seria mesmo obsoleto. Os contos da força deste material datam de tempos em que estas eram as lâminas mais fortes, mas a tecnologia actual permite adaptar os materiais às necessidades, sendo os materiais escolhidos de acordo com estas necessidades, tornando-se assim os melhores nos seus âmbitos de utilização.

O aço damasco foi sempre símbolo de respeito, força, beleza e classe. Ao longo da História, as figuras proeminentes, quer fossem guerreiros ou imperadores, romanos ou celtas, vikings ou árabes, quem possuísse tais armas podia ser considerado invencível. Não era apenas uma prova de poder e abundância, as suas propriedades místicas eram também afamadas, atribuídas pela "magia" do ferreiro.

Mais artigos

DestaquesArtigos

  • AdobeStock_112601508

    Research & Education

    Jun 1, 2017

    Ciclovias que brilham

    Até há relativamente pouco tempo os materiais que brilham no escuro não tinham funções que fossem muito além do prazer decorativo. Mas a luminescência foi conquistando aplicações mais utilitárias e hoje, literalmente, está...

  • Depositphotos_7554000_xl-2015

    Research & Education

    Abr 25, 2018

    CIENTISTAS PORTUGUESES NA VANGUARDA

    São portugueses, estudam o cancro e tentam encontrar a cura para este 'bicho'. Trazem novas teorias e formas de olhar a ciência, contribuindo de forma significativa para o mundo

  • plantwear1

    Luxury & Fashion

    Set 26, 2018

    PLANTWEAR

    Exclusividade em cada peça

    Inspirada na madeira e nas suas formas singulares, cada peça é como cada pedaço da matéria-prima: único. Não existe uma peça igual tornando-a para além de lindíssima, muito especial....


  • 1. Technology-Remarkable-Your Paper, Digital

    Technology

    Fev 1, 2018

    O SEU PAPEL, DIGITAL

    Todos nós nos habituamos, desde os tempos da escola e da faculdade, a tomar notas em papel. Seja em conferências, reuniões de trabalho ou workshops, era quase omnipresente a utilização de blocos de notas em vários formatos e...

  • 1

    Culture & Art

    Out 8, 2018

    MILESTII MICI

    "Imagine uma adega com centenas de quilómetros de corredores cheios de vinho, alguns milhões de garrafas, milhares de hectolitros em barris, centenas de safras, dezenas de variedades, um subterrâneo tão grande que apenas pode...

  • 01

    Business & Industry

    Fev 1, 2017

    UMA REGIÃO DE EXCELÊNCIA

    O "Alentejo 2020" – Programa Operacional Regional do Alentejo para o período 2014-2020 (programa de financiamento europeu para o desenvolvimento regional, neste caso, a região alentejana, em Portugal), é o resultado do trabalho...


  • brown-69465

    Business & Industry

    Mai 1, 2016

    EMBALAGEM SEGURA

    No supermercado, loja de conveniência ou centro comercial é frequente encontrar produtos que são entregues ou exibidos em caixas de cartão canelado. Fique a saber mais sobre as matérias-primas usadas na produção, o processo...

  • cocoa

    Business & Industry

    Dez 1, 2017

    O MELHOR DO MUNDO

    O arquipélago de S. Tomé e Príncipe tem das melhores condições do mundo para a produção de cacau. Após um longo período de fraca produção, começaram a surgir em São Tomé e Príncipe, há pouco mais de cinco anos, algumas...

  • 3

    Business & Industry

    Nov 30, 2015

    Zipping For 80 Years

    Established in 1936 in New York City, IDEAL Fastener Corporation is the second largest zipper manufacturer in the world with factories and offices in over 20 countries worldwide. IDEAL manufactures zippers for numerous applications such...