Science & Nature

Jun 1, 2017

Um salto tecnológico

Edifícios e estruturas que podem, por magia, regenerar por completo as rachas causadas pela pressão, mudanças de temperatura ou humidade? O que era um cenário de ficção científica apenas há alguns anos é já uma realidade graças à invenção do microbiólogo holandês Hendrik "Henk" Marius Jonkers.

O mundo da tecnologia não pára, faz-se, em cada campo da actividade humana, paulatinamente e, ocasionalmente, por meio de saltos significativos. A construção civil não é uma excepção e esta é a história de um desses saltos.

O betão é o material de construção mais usado em todo o mundo. Na Europa, encontra-se em mais de 70% dos edifícios e estruturas. É também um dos mais duráveis, não sendo, no entanto, indestrutível.

A formação de rachas no betão permite a infiltração de sais e água que podem descer inundando as bases dos edifícios ou chegar a corroer as estruturas de aço no seu interior ao ponto de as colapsar. Esta é a razão pela qual são usadas quantidades de aço para além da necessária ao sustento dos edifícios, que servem para prevenir o crescimento das rachas e as consequências da sua formação.

Jonkers, investigador na Universidade Técnica de Delft, foi questionado, em 2006, pelo seu colega Eric Schlagen, um técnico especialista em betão, sobre a possibilidade de utilização de bactérias para possibilitar ao material propriedades de auto-reparação. O cientista aceitou a questão como um desafio e propôs-se criar uma revolução na forma como construímos, criando todo um programa de investigação em engenharia civil bio sustentável para o desenvolvimento de novas matérias de construção.

Alertando para o facto de que 8% das emissões humanas de CO2 se deve à produção de cimentos, para a mutilação de paisagens naturais e para destruição de matérias-primas, o microbiólogo, adepto da aproximação biónica, remeteu a questão para o exemplo da natureza, procurando uma abordagem pela auto-renovação e auto-regeneração.

O que é o Bio-betão?

Bio-betão, uma mistura de betão tradicional com aquilo a que chamaram de "agente reparador" – colónias de bactérias alcafílicas (vivem em ambientes extremamente alcalinos como o do betão), de nome bacillus pseudofirmus que produzem calcite (carbonato de cálcio) e podem, para além de sobreviver à misturadora de cimento, esperar anos para levar a cabo o seu trabalho de restauro. Este bacilo pode manter-se numa espécie de letargia durante décadas, sem alimento ou oxigénio até que seja animado por eles, ou seja, quando aparece uma racha no betão, a humidade e o ar que nela penetra despertam as bactérias que rompem as cápsulas onde se encontram, começam a reproduzir-se e a produzir a calcite que preencherá o espaço aberto. O processo de reparação dá-se em cerca de 3 semanas. Depois de fechada a racha as bactérias voltam ao seu estado anterior. Este estado de adormecimento pode manter-se até mais de 200 anos.

Para produzir a calcite, o bacilo necessita de uma fonte de alimento. Jonkers começou por experimentar açúcar, mas esta substância amolecia e enfraquecia o betão. Mais tarde a equipa de cientistas optou por lactato de cálcio, colocado ao lado das bactérias, dentro de cápsulas de plástico biodegradável. A calcite é, portanto, o produto da digestão do lactato de cálcio combinado com iões de carbonato. 

Vantagens e obstáculos

Segundo Jonkers, o bio-betão pode reparar fendas até 8 milímetros de largura, o que, parecendo pouco, pode garantir um aumento exponencial da vida do edifício e, logo, reduzir drasticamente os custos de manutenção.

Este tipo de reparação pode ser especialmente indicado para estruturas de betão armado enterradas, de difícil acesso ou em prédios antigos com muitas fissuras que podem colapsar mediante sismos de baixa magnitude.

O principal obstáculo ao desenvolvimento deste produto é de origem económica. Apesar das evidentes poupanças em reparações (só na Europa são gastos anualmente 6.8 mil milhões de dólares para esse fim), a diferença de custo para o betão comum é de 40%.

Por isso, neste momento, os investigadores dedicam-se à melhoria do método de encapsulamento do alimento de modo a optimizar a sua distribuição para a bactéria e, deste modo, reduzir em 50% os custos de produção. 

Mais artigos

DestaquesArtigos

  • #1

    Luxury & Fashion

    Out 19, 2018

    HORNSKOV KØBENHAVN

    "Todos conhecemos a importância que uma aparência impecável tem no mundo dos negócios. Cada vez mais, vemos espantosos cortes de cabelo e barba, combinados com belas gravatas e fatos e camisas e sapatos."

  • 1

    Culture & Art

    Out 8, 2018

    MILESTII MICI

    "Imagine uma adega com centenas de quilómetros de corredores cheios de vinho, alguns milhões de garrafas, milhares de hectolitros em barris, centenas de safras, dezenas de variedades, um subterrâneo tão grande que apenas pode...

  • 14279036_127247534397015_777594915_n

    Helthcare & Wellness

    Abr 1, 2017

    UMA LUVA QUE DEVOLVE A FORÇA À MÃO

    Depois de ter chegado à final do "Microsoft Imagine Cup", com o protótipo de uma luva que devolve a força à mão e que permite levantar objectos até 40 quilos, a NUADA, é uma das startups do momento.


  • Reading-Between-the-Lines-church-by-Gijs-Van-Vaerenbergh-2

    Culture & Art

    Jul 1, 2017

    ESCULPIR NO AR

    Uma igreja pode ser o cerne da vida de cada um, ou simplesmente uma estrutura física que se combina com o ambiente envolvente. É isto que está no fundo de "Reading between the lines", uma instalação artística que emerge da paisagem,...

  • Depositphotos_19090019_xl-2015

    Food & Beverage

    Ago 30, 2018

    STEVIA

    This is already the century to take care of the body balance and healthcare. From the trip to gym three times a week, jogging in a park or by a river side or even on the beach, vegan food or even the external visual care, it will...

  • jak_3

    Luxury & Fashion

    Jun 1, 2017

    Três em um para o ar livre

    Passar alguns dias ao ar livre é um desafio pela quantidade de material que é necessário transportar: a tenda, o saco de cama, roupa adequada à temperatura, utensílios de higiene diária, calçado extra e, se pretender cozinhar...


  • Bag of ground coffee

    Food & Beverage

    Out 1, 2015

    Uma Classe Única

    O café existe na cultura Turca desde há muito tempo, e tornou-se um dos símbolos  do país ao longo de vários séculos. Hoje, o Café Turco é uma bebida e uma marca, conhecido pelo mundo fora.

  • cocoa

    Business & Industry

    Dez 1, 2017

    O MELHOR DO MUNDO

    O arquipélago de S. Tomé e Príncipe tem das melhores condições do mundo para a produção de cacau. Após um longo período de fraca produção, começaram a surgir em São Tomé e Príncipe, há pouco mais de cinco anos, algumas...

  • AllPhotosAlbinoVieira e Filhos (1)

    Culture & Art

    Jul 1, 2016

    O ALAMBIQUE E A ARTE SECULAR DO COBRE

    Foi em 1910 que Albino Vieira dos Santos começou a trabalhar o cobre na construção de equipamentos para adegas e destilarias. Ao longo de três gerações, a família tem vindo a servir o mercado de produção agrícola e de vinho...