Culture & Art

Mai 1, 2016

UMA CALÇADA PORTUGUESA CONCERTEZA

Elemento de atracção mundial, a calçada portuguesa permite passear literalmente por cima da arte pública mais antiga da cidade de Lisboa, sem reparar que pisa estrelas, peixes, flores, liras, pássaros, um código QR ou o rosto da fadista Amália Rodrigues. Recentemente envolta em polémica devido à sua possível extinção, a calçada portuguesa é considerada arte, evoluiu ao longo dos tempos, tem vantagens e desvantagens.

Em Portugal, o pavimento mais comum dos passeios é a denominada pedra de calçada, elaborada pelos calceteiros-artistas, que inundaram com os seus mares de pedra as praças e artérias das cidades, principalmente de Lisboa. Esta arte, que nasce da abstracção da cor, recorre ao contraste, salienta o desenho, possui um sentido estético e utilitário que nunca cansa a visão, mas que morre por falta de zelo e de simpatia dos que a vêem como pouco segura e funcional.

Estes são precisamente alguns dos aspectos que estão na origem da polémica que envolveu a calçada portuguesa quando foi, recentemente, anunciada a sua extinção em alguns locais da capital. A proposta da autarquia é manter a calçada nos locais históricos e substituí-la por outros pavimentos, nos locais onde esta levanta problemas de mobilidade, segurança e conforto. Os opositores da medida defendem que o problema reside na falta de manutenção e qualidade da calçada e apontam algumas vantagens: luminosidade, durabilidade, é reutilizável e personalizável, 100% mineral - o que resulta num menor impacto energético, adaptável, artesanal, não deixa resíduos de obra, embeleza e dignifica o espaço público, e não impermeabiliza o solo – contribuindo assim para um melhor escoamento das águas.

Reconhecida internacionalmente como uma manifestação da cultura Portuguesa, é responsável pela criação da profissão de calceteiros – especialistas nesta arte esculptórica cada vez mais rara. Actualmente, a Câmara de Lisboa tem 20 calceteiros, em comparação com os 400 de outros tempos.

Do Esplendor ao Esquecimento

Herança histórica da cultura e tecnologia de construção romanas impostas durante o reinado de D. João II, no século XIV, a calçada portuguesa foi impulsionada pelo governador do Castelo de S. Jorge, situado em Lisboa, entre 1840 e 1846, o Tenente General Eusébio Furtado, que em 1842 transformou a fortaleza e arredores em lugares de passeio. Recorreu então à mão-de-obra dos presidiários do Castelo, que assentaram um tapete de pequenas pedras de calcário branco, cortado a espaços por linhas de pedras de basalto negro, num desenho em ziguezague. O feito foi de tal forma apreciado pelos lisboetas que em 1848, levou à aprovação do projecto do Militar para a Praça do Rossio. A obra, designada de "Mar Largo" em homenagem aos "Descobrimentos Portugueses", com 8712 m², foi elaborada apenas com calcário "vidraço" branco e negro, em 323 dias.

A maioria das ruas da Baixa de Lisboa foram sendo calcetadas a basalto, nomeadamente, o Largo de Camões em 1867, o Jardim do Príncipe Real em 1870, a Praça do Município em 1876, o Cais do Sodré em 1877, o Chiado em 1894, a Avenida da Liberdade em 1879 e em 1908 a Praça do Marquês de Pombal. Entre 1950 e 1960, foram convidados artistas plásticos como Abel Manta, Clara Smith e Maria Keil para desenharem motivos para a calçada. Ventura Terra, Cassiano Branco e o arquitecto Pardal Monteiro projectaram partes da calçada no Saldanha, Avenida da República e Avenida da Liberdade.

O sucesso da calçada portuguesa levou-a a várias cidades do Mundo: Rio de Janeiro, Luanda, Maputo, Macau, Nova Iorque e Caracas, onde foi colocado um revestimento tradicional português em homenagem ao poeta luso, Luís Vaz de Camões, em 2013.

A calçada evoluiu a par com a tecnologia, exemplo disso é o código QR (código que pode ser lido por "smartphone") feito em pedra na Rua Garrett, no Chiado, Lisboa, desenvolvido pela agência de publicidade MSTF Partners. O código remete para informação cultural e turística sobre a zona, a história da calçada e um excerto com o som dos calceteiros.

Inspirado pela capa do disco "Amália, As Vozes do Fado", o artista urbano Vhils criou, em conjunto com os calceteiros da Câmara de Lisboa, o rosto da fadista Amália Rodrigues em calçada. O retrato aparece como uma onda do mar que começa no chão e sobe pela parede. "Assim, quando chover, faz chorar as pedras da calçada", explica Vhils, fazendo a ligação entre a obra e o fado.

Mais artigos

DestaquesArtigos

  • IMG_3345

    Culture & Art

    Mai 1, 2017

    PERSONALIZANDO A TECNOLOGIA COM ARTE

    Roldanas, rodas dentadas, Zepelins, lentes e latão dourado. O SteamPunk propõe uma história alternativa onde a tecnologia se mistura com arte para ser mais humana. O movimento Arts and Crafts acabou finalmente por se fundir com...

  • 295bda17-c5e4-458f-995f-62c4ac1da40e

    Food & Beverage

    Jul 1, 2017

    Comer inteligentemente

    O foodpairing é um método científico moderno que tem servido para saber quais os sabores que combinam melhor uns com os outros. Este método tem por base o princípio de que os alimentos combinam melhor quando têm determinadas...

  • blank-sofa-by-hyung-suk-cho-o

    Home & Design

    Mai 1, 2017

    CASAS MODERNAS COM INSPIRAÇÃO TRADICIONAL

    Embora minimalista, consegue transmitir uma diversidade de sentimentos, dependendo de onde e como é usado. Assim é o mobiliário do jovem designer sul-coreano, Hyung Suk Cho que, inspirado pela pintura Sul-Coreana, combina o clássico...


  • LesMills01

    Helthcare & Wellness

    Jun 1, 2017

    A mexer há 49 Anos

    Nascido em 1934, Leslie Roy "Les" Mills foi um atleta profissional de renome, chegando a representar a Nova Zelândia nos Jogos Olímpicos em quatro ocasiões e nos Jogos da Commonwealth do Império Britânico ao longo de duas décadas,...

  • Hotel-deserto-Marrocos

    Lifestyle & Travel

    Jun 26, 2018

    UM CHÁ NO DESERTO, QUERIDA?

    Os tempos modernos tornaram populares o turismo de aventura em locais exóticos, mas no Sudeste de Marrocos há um pequeno oásis entre as dunas que fará as delícias até mesmo do turista mais ocioso e alheio a aventuras

    ...

  • tv2016-10-03-15-33-28hifile1400-1

    Technology

    Mar 1, 2017

    TELEVISÕES TRANSPARENTES - ESCONDIDAS À VISTA

    Assim mesmo! O novo conceito de ter uma televisão mesmo no meio da sala sem que seja vista chegou e até é muito superior ao que seria de esperar. Mais transparência, melhor definição de imagem, muito mais qualidade.


  • ~1474296846~12973438_1066159806777023_1064623569076422198_o

    Science & Nature

    Ago 1, 2016

    PLANTAS QUE FLUTUAM

    Valorizar a Terra através da arte é o objectivo da Hoshinchu Air Bonsai Garden, uma empresa japonesa que desenvolveu um kit que permite plantar e ver um bonsai flutuar.

  • Etsy-Vintage-and-Crafts-1

    Business & Industry

    Jan 1, 2018

    VINTAGE E ARTESANATO

    O portal Etsy foi fundado em 2005 com um preceito extremamente simples, fazer com que artesãos de todo o mundo pudessem colocar o fruto do seu trabalho à venda. O conceito expandiu-se e actualmente é possível negociar no portal...

  • 1

    Food & Beverage

    Dez 31, 2015

    Ao Longo das Vinhas

    E assim chegamos ao Chile. O longo e estreito Chile, mas sempre maravilhoso. Este país, que mede uns espantosos 4300 km "de ponta a ponta", mas apenas 175 km de largura, tem o deserto mais seco da Terra a Norte, e campos glaciares gelados...